sexta-feira, 5 de abril de 2019

Autoridades americanas investigam se os cigarros eletrónicos provocam convulsões



As autoridades de saúde dos Estados Unidos informaram que estão a investigar a possibilidade de os cigarros eletrónicos provocarem convulsões, após 35 casos relatados envolvendo especialmente jovens.
A Food and Drug Administration (FDA), agência federal da área da saúde e segurança alimentar, divulgou na quarta-feira que está a analisar 35 casos de convulsões entre utilizadores de cigarros eletrónicos, especialmente de jovens.


Photo Opas

Terapia celular pode substituir a necessidade de transplantes renais


A entidade informou que ainda não está esclarecido se os cigarros eletrónicos estão ou não na origem das convulsões, e pede que a população informe qualquer situação que venha a acontecer. A maioria dos cigarros eletrónicos funciona com o aquecimento de liquido aromatizado que é vaporizado e que contém nicotina.
O envenenamento por nicotina pode causar convulsões, vómitos e danos cerebrais. A FDA já tinha alertado para o envenenamento por nicotina em crianças que acidentalmente tinham ingerido as soluções usadas para os cigarros eletrónicos.
Quase 30 milhões de europeus usaram cigarros eletrónicos em 2012, sendo a maioria com idades entre 15 e 24 anos. Estes fumavam tabaco tradicional regularmente e já tinham tentado deixar o vício. Contudo, a investigação não conseguiu determinar com que frequência se fuma os cigarros eletrónicos nem durante quanto tempo o fez quem os experimentou nos 12 meses que foram analisados.




Em 2014, recorreram aos cigarros eletrónicos mais de 20% dos atuais fumadores europeus, 4,7% dos ex-fumadores e 1,2% dos que nunca fumaram tabaco. Entre os fumadores, o cigarro eletrónico é mais utilizado por jovens entre os 15 e os 24 anos e entre os que têm hábitos tabágicos mais frequentes.
A Organização Mundial de Saúde recomendou, a proibição da venda de cigarros eletrónicos a menores de idade, por considerar que o consumo acarreta “ameaças graves” para os adolescentes e fetos. Os peritos aconselharam também proibir o uso de cigarros eletrónicos em espaços públicos fechados.

Oito hábitos que aumentam a esperança média de vida


As provas mostram” que os cigarros eletrónicos “não são apenas simples vapor de água“, como argumentam frequentemente os fabricantes e o seu consumo em espaços públicos fechados deve ser proibido “a menos que seja provado que esse vapor exalado não é perigoso para quem está mais próximo”, afirmou.
De acordo com a OMS, existem provas suficientes para fazer uma advertência para “crianças, adolescentes, grávidas e mulheres em idade fértil” relativa às consequências a longo prazo que pode ter o consumo do cigarro eletrónico no “desenvolvimento do cérebro”.



As 5 substâncias mais viciantes na Terra

Viver mais e melhor pode não ser tão complicado como possa parecer.

O álcool altera nosso DNA e faz querer beber ainda mais


Fonte//Lusa



Sem comentários:

Publicar um comentário