quarta-feira, 3 de abril de 2019

20 Países africanos plantam uma 'Grande Muralha Verde' com 8.000 km

O deserto do Saara, nas últimas décadas, expandiu-se lentamente para o sul, através de uma região como o Sahel. O pastoreio intenso, a desflorestação e inúmeras secas degradaram o outrora exuberante Sahel, facilitando a expansão do Saara. A fim de evitar um desastre ecológico em todo o continente, 20 países africanos diferentes entraram em um ambicioso programa de plantio de árvores chamado "Grande Muralha Verde". O muro verde de 16 km de largura, tem como meta estender-se por 8.000 quilômetros de terreno no extremo sul do deserto do Saara, impedindo a expansão do deserto.


Photo ZmeScience


O aquecimento global vai permitir a expansão de doenças tropicais


A Grande Muralha Verde foi iniciada pela em 2007 por iniciativa de 12 países africanos, tendo os outros 9 aderido mais tarde O plano é plantar árvores resistentes a secas, como acácias, na estreita região que se estende do Senegal no leste da África para o Djibuti, no oeste da África.
Depois de concluído, o muro atravessará 11 países no total. Ainda está com apenas 15% concluída, mas os resultados já estão aparecendo. Só no Senegal, mais de 11 milhões de árvores foram plantadas desde o lançamento do projeto. A Nigéria recuperou 12 milhões de acres de terras degradadas e a Etiópia 37 milhões de acres.


Photo ZmeScience

O peixe-gelo antártico que não congela


O plantio de árvores no Sahel melhorou a resiliência da área contra a desertificação. A parede verde retarda os efeitos de seca e erosão do vento, restaura os micro climas e permite que as culturas alimentares cresçam perto das árvores que fertilizam o solo. O objetivo final do projeto de US $ 8 bilhões é restaurar 100 milhões de hectares de terras degradadas até 2030, o que geraria 350.000 empregos rurais e absorveria 250 milhões de toneladas de CO2 da atmosfera.
"Há muitas maravilhas do mundo, mas a Grande Muralha Verde será única e todos poderão fazer parte de sua história", disse o Dr. Dlamini Zuma, presidente da Comissão da União Africana. "Juntos, podemos mudar o futuro das comunidades africanas no Sahel"





No entanto, desde o início do projeto, algumas mudanças no plano foram feitas. A ideia da Grande Muralha Verde se transformou em um programa centrado em técnicas de uso da terra indígena, e não plantando uma floresta à beira de um deserto, o que seria altamente impraticável. “Não é necessariamente uma parede física, mas sim um mosaico de práticas de uso da terra que, em última análise, atenderá às expectativas”, disse Mohamed Bakarr , especialista em meio ambiente ambiental da  Global Environment Facility.



A Grande Muralha Verde é um símbolo de esperança numa área onde, até pouco tempo atrás, todos receavam a expansão do Saara. Ainda há muito trabalho pela frente. Alguns argumentam que o projeto está indo muito devagar. Os técnicos dizem que a regeneração precisa estar concluída dentro de 10 a 15 anos.

Revelado o único método capaz de evitar uma catástrofe climática

Alterações climáticas podem tornar os verões mais tempestuosos

Antartida está a perder massa de gelo a ritmo alarmante


Fonte//ZmeScience



Sem comentários:

Publicar um comentário