sexta-feira, 15 de março de 2019

Terapia celular pode substituir a necessidade de transplantes renais


Os cientistas do Instituto Wake Forest para Medicina Regenerativa (WFIRM) estão trabalhando numa uma abordagem promissora para o tratamento da doença renal crônica, regeneração de tecidos danificados usando células terapêuticas.
Ao aproveitar as propriedades únicas das células-tronco derivadas do líquido amniótico humano, os cientistas da WFIRM demonstraram que as células poderiam ajudar a recuperar a função dos órgãos num modelo pré-clínico de doença renal.

Photo Noticias de Coimbra

O álcool altera nosso DNA e faz querer beber ainda mais


"Os resultados indicam que este tipo de célula-tronco poderia ser usado como uma fonte universal de célula e pode fornecer uma estratégia terapêutica alternativa para pacientes que sofrem desta doença crônica e debilitante", disse o autor sênior James J. Yoo, MD, Ph. .D., Professor de medicina regenerativa na WFIRM.
Os resultados do estudo foram publicados recentemente na revista Engenharia de Tecidos Parte A. Este artigo é um de uma série que a equipe de pesquisa publicou sobre terapias para o tratamento da doença renal. Conhecidos mundialmente pelas suas pesquisas pioneiras sobre a bio impressão em tecidos e órgãos em 3D, os pesquisadores do WFIRM também têm combatido doenças renais e a falta de órgãos de diversas maneiras.







Eles foram os primeiros no mundo a identificar e caracterizar células-tronco derivadas do líquido amniótico em 2007 e desenvolveram técnicas para isolamento e expansão das células. As células-tronco derivadas do líquido amniótico podem ser usadas como fonte universal de células, porque elas têm a capacidade de mutação e tornarem-se em diferentes tipos de células, bem como a capacidade de serem anti-inflamatórias, tornando-as uma fonte potencial de regeneração. Diferentemente das células-tronco adultas e pluri-potentes, as células-tronco derivadas do líquido amniótico não são tão prováveis ​​de provocar uma resposta do sistema imunológico. Além disso, seu uso não leva a riscos de tumores ou preocupações éticas, como acontece com as células-tronco embrionárias.


Para este estudo, os pesquisadores descobriram que as células-tronco do líquido amniótico injetadas num rim doente num modelo pré-clínico levaram à melhora da função renal com base nos níveis de resíduos medidos após 10 semanas. Os achados da biópsia mostraram redução do dano ao agrupamento de capilares, onde os resíduos são filtrados do sangue.
A doença renal é um problema de saúde pública mundial e pode se manifestar em sintomas agudos e crônicos. Mais de 30 milhões de adultos americanos são afetados por esta doença e outros milhões correm o risco de desenvolvê-la, segundo a National Kidney Foundation. 


Photo Revista Saude

Oito hábitos que aumentam a esperança média de vida


O transplante é o único método de tratamento definitivo que restaura a função renal, mas tem seus próprios desafios com a rejeição e imunossupressão ao longo da vida. Também não há órgãos doadores suficientes para atender à procura.
Sunil George, Ph.D., pesquisador e co-autor do WFIRM, que faz parte dos estudos, disse que estão sendo realizadas mais pesquisas. "Resta saber se a injeção de mais células ou o enxerto mais eficiente das células infundidas aumenta a melhora da função dos órgãos", disse ele.







O estudo foi apoiado, em parte, pelo Estado da Carolina do Norte e pela WFIRM.
Estão também neste estudo: Mehran Abolbashan, Kim Tae-Hyoung, Chao Zhang, Julie Allickson, John D. Jackson, Sang Jin Lee e In Kap Ko, todos da WFIRM.


As 5 substâncias mais viciantes na Terra

Dieta visual, somos o que vemos

Viver mais e melhor pode não ser tão complicado como possa parecer






Sem comentários:

Publicar um comentário