sexta-feira, 1 de março de 2019

O Planeta X está mais perto da Terra do que pensávamos


O misterioso Planeta X está localizado cerca de 1,5 vezes mais próximo de nós do que os cientistas julgavam até então, sendo uma “super-Terra” e não um gigante gasoso, apontaram os cientistas num novo estudo que analisou as descobertas mais recentes associadas ao “nono” planeta do Sistema Solar.



Photo SpuntnikNews


NASA diz que podemos encontrar vida alienígena brevemente 

Quando eu e Michael publicamos o nosso primeiro artigo há três anos, não tínhamos medo de ser obrigados a realizar um enorme trabalho para encontrar o Planeta x. Receávamos antes outra coisa, que existisse uma explicação mais simples para estas anomalias”, contou Konstantin Batygin do Instituto de Tecnologia da Califórnia, EUA.



No início de 2016, os astrónomos Michael Brown e Konstantin Batygin anunciaram ter conseguido calcular a localização do misterioso Planeta X. Este planeta, também conhecido como o Planeta Nove do Sistema Solar, estaria a 41 mil milhões de quilómetros do Sol e teria 10 vezes mais massa do que a Terra. O “nono” planeta demoraria 14 mil anos para dar uma volta ao Sol.

Até então não há informações concretas sobre a existência e a localização exata do planeta, além dos movimentos estranho dos planetas anões no Cinturão de Kuiper. Os cientistas competem entre si para localizar o planeta ou desmentir a descoberta de Batygin e Brown. Para responder às críticas, os astrónomos reuniram e analisaram todas as descobertas mais recentes realizadas nos últimos anos sobre o Planeta X.

A análise dos dados conseguidos, foi esta semana publicada na revista especializada Physics Reports, e mostra que a probabilidade de existir um nono planeta no Sistema Solar está perto de ser 100%. Os descobridores do Planeta X afirmam que os seus rivais ate agora  não apresentaram ainda nenhuma prova que os desmentisse.


As avaliações da trajetória de movimento mostraram inesperadamente que Batygin e Brown exageraram significativamente na massa do “Planeta X”, no ângulo de inclinação da sua órbita e até na distância. Os cientistas acertaram no tamanho, concluindo que o Planeta X é mais parecido com a Terra do que com Neptuno no que respeita às suas dimensões.
O planeta deve estar localizado a uma distância de 400 a 500 unidades astronómicas do Sol, o que é 1,5 vezes menor em comparação com as avaliações anteriores. Entretanto, a sua massa seria cinco vezes maior do que a da Terra, valor muito menor do que as previsões inicialmente avançadas por Batygin e Brown.








O astrónomo explicou que estas discrepâncias estão associados ao facto de em 2016, ano em que foi descoberto o Planeta X, os cientistas não terem conhecimento ainda da existência de objetos com órbitas cujo o semieixo maior tivesse mais de 250 unidades astronómicas. Nos últimos tempos, explicou o cientista, foram encontrados de uma só vez 14 corpos celestes que alteraram significativamente a compreensão sobre a “arquitetura” interna dos arredores do Sistema Solar.
 Quase todas as órbitas destes planetas distantes, segundo adiantou Batygin, seriam instáveis se o seu movimento não fosse dirigido pelo Planeta X, com uma massa calibrada e localizado numa região concreta do espaço.


Asteroide pode atingir a Terra em Setembro


“Isso significaria que o nono mundo do Sistema Solar seria mais difícil de encontrar?
 É um paradoxo, mas é tudo ao contrário, a distância menor compensa a diminuição de tamanho. Como resultado, o Planeta X seria mais brilhante de que pensámos, e seria possível encontrá-lo com ajuda do Subaru e de outros telescópios modernos”, rematou Baty





Sem comentários:

Publicar um comentário