quinta-feira, 28 de março de 2019

O aquecimento do Ártico contribui para a seca mundial


Quando o Ártico aqueceu após a era do gelo, há 10.000 anos, criou condições perfeitas para a seca.
 De acordo com uma nova pesquisa conduzida por um cientista da Universidade de Wyoming, mudanças semelhantes poderiam estar decorrendo hoje, porque o aquecimento do Ártico enfraquece a diferença de temperatura entre os trópicos e os polos. Isso, por sua vez, resulta em menos precipitação, ciclones mais fracos e vento mais fraco a latitudes mais baixas, tudo o necessário para a seca prolongada.


Photo Pixabay

Cientistas descobrem buraco gigante na Antártida



A diferença de temperatura entre os trópicos e os polos influencia o tempo. Quando essas temperaturas diferenciam-se mais, o resultado é mais precipitação, ciclones mais fortes e vento mais forte. No entanto, devido ao gelo do Ártico estar a derreter e a aquecer os polos, essas temperaturas estão se aproximando.

"A análise mostra que, quando o Ártico é mais quente, as correntes e outros padrões de vento tendem a ser mais fracos", diz Bryan Shuman, professor da UW no Departamento de Geologia e Geofísica. "Se a diferença de temperatura no Ártico e nos trópicos é menos acentuada, traz menos precipitação para as latitudes médias."
Shuman é co-autor de um novo estudo que é destacado em um artigo intitulado "Precipitação Líquida de Média Latitude Reduzida com o Aquecimento Ártico Durante o Holoceno", publicado hoje (27 de março) na Nature , uma revista científica semanal internacional. A versão impressa do artigo será publicada em 4 de abril.





Pesquisadores da Northern Arizona University, Université Catholique de Louvain em Louvain-In-Neuve, Bélgica, o Centro de Geociências de Florence Bascom em Reston, Va , e a Cornell University também contribuiram para o artigo.

"O artigo da Nature adota uma abordagem global e relaciona a história de períodos de seca severa com as mudanças de temperatura. Importante, quando as temperaturas mudaram de formas semelhantes às atuais (aquecimento do Ártico), lugares latitudes médias, como Wyoming e outros da América do Norte central, secaram ", explica Shuman. "Os modelos climáticos antecipam mudanças similares no futuro".
Atualmente, as altas latitudes do norte estão aquecendo a niveis que são o dobro da média global. Isso diminuirá o gradiente de temperatura do equador para o polo para valores comparáveis ​​com o período inicial a médio do Holoceno, de acordo com o artigo.
Shuman diz que sua contribuição de pesquisa, usando evidências geológicas, ajudou a estimar como foram as condições de seca nos últimos 10 mil anos. Sua pesquisa incluiu três lagos em Wyoming, Lake of the Woods, localizado acima de Dubois, Little Windy Hill Pond na faixa de neve, e Rainbow Lake nas montanhas de Beartooth.


Photo Pixabay

O que irá acontecer á humanidade se a Antártida colapsar



"Os lagos são esses registos naturais das condições húmidas e secas", diz Shuman. "Quando os lagos sobem ou baixam, deixam a evidências geológicas."
A análise de temperatura holocénica dos investigadores incluiu 236 registos de 219 sites. Durante os últimos 10.000 anos, muitos dos lagos estudados estiveram mais secos do que hoje, diz Shuman.
"O Wyoming teve vários milhares de anos com vários lagos secos e havia dunas de areia onde agora há vegetação", diz Shuman. "A a costa leste, é húmida nos nossos dias, mas há 10.000 anos , estava quase tão seca como as Grandes Planícies."




O grupo de pesquisa analisou a evolução da diferença de temperatura trópical para a em três períodos de tempo, 100 anos, 2.000 anos e 10.000 anos. Nos últimos 100 anos, muitos registos atmosféricos facilitaram a análise, mas, nos últimos 2.000 anos ou 10.000 anos, havia menos registos disponíveis. Os anéis das árvores podem ajudar a medir a temperatura nos últimos 2.000 anos, e os depósitos nos lagos, em cavernas e no gelo das geleiras foram estudados para registar temperaturas e precipitações anteriores.


Fauna e flora do Artico em perigo

Sir David Attenborough prevê o 'colapso da civilização'

Antartida está a perder massa de gelo a ritmo alarmante



Fonte//Phys

Sem comentários:

Publicar um comentário