domingo, 10 de março de 2019

Está chovendo no gelo da Groenlândia, no inverno, e isso é muito mau


Os dias de chuva são cada vez mais comuns em partes da Gronelândia normalmente cobertas por gelo, provocando a fusão rápida do gelo e fragilizando a superfície, potenciando um degelo generalizado.
A revista científica The Cryosphere divulgou num estudo, que algumas partes da camada de gelo estão a ter chuva no inverno em vez de neve, um fenómeno que se vai aumentar à medida que o clima continuar a aquecer.


Photo SicenceDaily

Cientistas avisam que o oceano está ficando sem oxigênio



A Gronelândia tem vindo a perder gelo nas últimas décadas devido ao aquecimento progressivo. Desde os anos 90 que as temperaturas médias sobre o manto de gelo subiram 1,8ºC no verão e até 3ºC no inverno.
Estimativas indicam que o manto gelado esteja a perder 270 mil milhões de toneladas de gelo em cada ano. Até recentemente grande parte do gelo  partia-se de perdia-se em icebergues, mas agora é o derretimento, que já representa 70% das perdas, principalmente por causa da chuva.
A investigação analisou dados recolhidos entre 1979 e 2012, comparando imagens de satélite e observações meteorológicas, para perceber o que estava a provocar a fusão em locais específicos.
Segundo a principal autora do estudo, Marilena Oltamnns, do Centro Geomar para Pesquisas Oceânicas, da Alemanha, durante o período em análise o degelo associado à chuva duplicou no verão e triplicou no inverno.

A fusão dos mantos de gelo pode ser causada por uma complexidade de fatores, mas a água líquida é o mais culpado, disse Marco Tedesco, da Universidade de Colúmbia, Estados Unidos, e outro dos autores do estudo.
As temperaturas mais altas tornam mais provável que as condições atmosféricas mudem e em que precipitação toma a forma de chuva, que carrega grande quantidade de calor, e não de neve. Segundo os investigadores, essas condições produzem uma fusão do gelo que se auto alimenta e que continua mesmo depois da chuva.




Existem efeitos a longo prazo, dizem os autores do estudo. Eles acreditam que parte da água derretida se esvai, mas o restante congela, transformando a neve, em massas mais escuras e densas de gelo. Esse gelo absorve a radiação solar com mais facilidade do que a neve, que provoca mais derretimento, num circuito vicioso.
Embora a chuva esteja atingindo partes cada vez mais distantes do gelo no verão, as chuvas de inverno por enquanto parecem limitadas ás elevações mais baixas no sul e no sudoeste da Groenlândia.
"O gelo deve ganhar massa no inverno quando neva, mas cada vez mais perde massa pelo derretimento", disse Oltmanns.


Photo Revista Piaui


O que irá acontecer á humanidade se a Antártida colapsar



A Gronelândia não é o único lugar do norte do planeta afetado pelo aumento da chuva no inverno, em vez de neve. Chuvas anormais no norte do Canadá deixaram um manto de água que congelou, aprisionando as plantas que renas e bois almiscarados comiam procurando através da neve solta. Manadas inteiras foram dizimadas por causo disto.
E um estudo recém publicado sobre uma zona perto de Fairbanks, no Alasca, mostra que o aumento das chuvas de primavera está se infiltrando no permafrost, descongelando-o e liberando grandes quantidades de metano, um gás de efeito estufa altamente perigoso.

Entre 1993 e 2014, a subida global do nível do mar amentou de cerca de 2,2 milímetros por ano para 3,3 milímetros, e acredita-se que grande parte desse aumento deve-se ao derretimento da Groenlândia.
O estudo foi co-autoria de Fiammetta Straneo do Scripps Institution of Oceanography.


Alterações climáticas podem tornar os verões mais tempestuosos

As alterações climáticas estão impedindo as plantas de processar o CO2

Aumento na força das ondas colocam em risco áreas costeiras




Sem comentários:

Publicar um comentário