domingo, 17 de março de 2019

Encontrado porta-aviões “Uss Wasp” afundado na Segunda Guerra Mundial


Um grupo de exploradores de águas profundas, trabalhando a partir do navio Research Research Petrel, descobriu os restos do “USS Wasp”, um porta-aviões da Segunda Guerra Mundial que foi afundado por um submarino japonês, em 1942 durante um ataque às Ilhas Salomão. Informou a Popular Mechanics na quinta-feira.

.
Photo Youtube RV Petrel

Submarino alemão da Primeira Guerra Mundial descoberto na costa francesa



O vaso de guerra, afundado há quase 80 anos, foi encontrado a 4.200 metros de profundidade, no Mar de Coral, a meio caminho entre a Austrália e a Nova Guiné, segundo o relatório. A descoberta do “USS Wasp” é a mais recente de uma série de descobertas semelhantes. Nos últimos anos, a tripulação do Petrel encontrou vários naufrágios da Segunda Guerra Mundial, incluindo o USS Juneau, o USS Ward, o USS Lexington, o USS Helena e o USS Indianapolis. No início de fevereiro, a tripulação anunciou a descoberta de outro porta-aviões, o USS Hornet.





O USS Wasp foi atingido por três torpedos japoneses em 15 de setembro de 1942, quando cobria o ataque às Ilhas Salomão, uma operação destinada a proteger a Austrália e a Nova Zelândia e a criar bases para novas operações contra o Japão, segundo a Popular Mechanics.







O USS Wasp sofreu danos massivos, levando o capitão a ordenar o abandono do navio menos de uma hora após o ataque. O navio demorou cerca de oito horas para afundar completamente. No ataque morreram 176 marinheiros e 366 ficaram feridos, num total de 2.162 tripulantes.
Paul Allen, o fundador da Microsoft já falecido, ainda em vida, reuniu a equipa de Petrel tendo deixado uma pré-condição estabelecida, que era que os destroços históricos fossem tratados como sepulturas de guerra e que suas localizações permanecessem secretas, conhecidas apenas por governos e museus.




 Hoje, o Petrel está equipado com um veículo submarino autônomo Remus 6000, capaz de explorar profundidades de até seis quilômetros (19.685 pés). O Petrel também funciona como um navio teste para vários equipamentos de águas profundas que nunca foram instaladas em qualquer outro navio.


Teoria da conspiração indica que o Titanic nunca afundou

A Marinha dos EUA encomendou um submarino autónomo á Boeing

Atingido o ponto mais profundo do Oceano Atlântico



Sem comentários:

Publicar um comentário