segunda-feira, 4 de março de 2019

Descoberta enfinge no sul do Egito



Uma equipa de arqueólogos descobriu os restos de uma oficina com cerca de 3500 anos na área de Gebel el Silsila, no sul do Egito. No mesmo local, foram também encontradas várias esculturas e hieroglíficos, sendo identificado como do reinado de Amenhotep III da 18.ª dinastia.

Photo Gebel el Silsila

Descoberta rampa que pode ter servido para a construção das grandes pirâmides



Entre os elementos descobertos encontra-se uma esfinge com cabeça de carneiro feita de arenito com cerca de 5 metros de comprimento e 3,5 metros de altura, mesmo tendo a cabeça partida. Foi também encontrada perto, uma outra de menores dimensões que pode ter sido esculpida por um aprendiz.
 As esfinges são um símbolo da realeza do Antigo Egito, e representavam a força e o poder do faraó, sendo também consideradas símbolos da vida após a morte, sendo muitas vezes encontradas junto a túmulos.








Segundo a equipa que efetuou a escavação, a oficina deve ter sido abandonada após a morte do faraó Amenhotep III, em meados 1350 a.C.
As esfinges não foram os únicos objetos encontrados. A equipa encontrou uma escultura de uma cobra feita para coroar a cabeça da esfinge e ainda uma estela (coluna de pedra destinada a ter uma inscrição).

Photo Gebel el Silsila


Descoberta “porta para o Inferno” numa caverna de Midlands


Foi também encontrado um santuário destruído com símbolos hieroglíficos dedicados a  Amenhotep III e partes de uma escultura de um falcão e um obelisco.
A descoberta foi filmada pela produtora britânica Windfall Films para a National Geographic Channel (O Tesouro Perdido do Egito: Rainha Guerreiro Faraó) e vai ser exibido em Março no Canal 4 do Reino Unido (Segredos do Vale dos Reis do Egito).



Fonte//Gebel el Silsila




Sem comentários:

Publicar um comentário