domingo, 24 de março de 2019

Cientistas russos detectam pico massivo de atividade solar



Quando direcionados para a Terra, as poderosas rajadas de energia da superfície do Sol são capazes de causar distúrbios geomagnéticos em massa, queimando equipamentos elétricos,de comunicações e redes de energia, e até levando a uma incidência maior de câncer.
A atividade solar aumentou substancialmente nos últimos dias, indicou a monitorizaçao do Laboratório de Raios-X de Astronomia do Sol, baseado em Moscovo.





                                               Imagem do Sol, feita em 21 de março, mostrando um pico de atividade solar.

                                                   Photo Lebedev Physical Institute of The Russian academy of Sciences

“Sol artificial” será concluído este ano na China



" Foi observado um aumento acentuado na atividade solar nas últimas 24 horas nos equipamentos de monitorizaçao espacial, fornecendo informações sobre o fluxo da radiação solar de raios X", observou o laboratório, parte do Lebedev Physical Institute da Academia Russa de Ciências, num comunicado de imprensa .





Segundo os cientistas, a 20 e 21 de março foram registadas três explosões solares de "classe C" (poderosas rajadas de energia solar que, felizmente, geralmente têm pouco ou nenhum efeito na Terra). Além disso, pela primeira vez em vários meses, o “índice de atividade” do instituto mostrou um aumento do nível de perigo de “verde” para “amarelo”, com valores de pico chegando a 3,6 numa escala de 10 pontos na sexta-feira.
Os pesquisadores notaram um aumento na atividade solar que era "claramente visível"  na observação fotográfica, incluindo uma emissão de luz brilhante criada pelo plasma quente que emana da superfície do Sol.


Os astrônomos atribuíram o pico de atividade solar à queima do restante do "combustível" do Sol a partir do 24º ciclo solar. "Tal combustível inclui campos magnéticos que são formados sob a superfície do Sol e são transportados por correntes de plasma em direção à sua superfície, junto com o excesso de energia. É essa energia que é queimada na forma de flashes", explicaram os cientistas.
Os astrônomos esperam que a formação do ciclo solar 25 comece perto dos polos do Sol, mas indicaram que o ciclo ainda não deu qualquer indicação de ter começado.
"Continua a ser um mistério o motivo pelo qual os campos magnéticos do ciclo 24 permanecem no Sol, sete anos depois que o ciclo atingiu seu máximo em 2012", observaram os pesquisadores.
Quando suficientemente intensas, as explosões de energia solar podem causar grandes danos à na Terra, Desde naves espaciais e instrumentos de satélite na órbita da Terra a redes elétricas inteiras no próprio planeta, particularmente durante os períodos em que o escudo magnético normalmente protege a Terra  da radiação solar e cósmica está enfraquecido.




Photo Mundo da Geografia


"Corpo espacial" escondido atrás do sol levanta a conspiração do Planeta X


Em 2011, a Academia Nacional de Ciências dos EUA calculou que a repetição de uma grande tempestade solar como a que atingiu o planeta em 1859 poderia levar apenas a 2 triliões de dólares em danos iniciais e levar uma década para reparar.
O ciclo 24, o atual ciclo solar, começou em janeiro de 2008 e tem a menor atividade registrada de manchas solares desde que os registros começaram no ano de 1750. Inicialmente, o ciclo 24 deveria terminar em meados de 2018.

Astronomos com 99% de certeza em relaçao a um exoplaneta "perto" da Terra

Telescópio capta sinais de radio misteriosos do espaço sideral

Por que gira a Terra?




Fonte // SputnikNews




Sem comentários:

Publicar um comentário