quarta-feira, 20 de março de 2019

Cientistas criam pele eletrônica auto-regenerativa e elástica


Muitas das maiores invenções do mundo foram inspiradas pela natureza. Alguns dos exemplos são os Comboios Bala japoneses que têm a forma do guarda-rios aerodinâmico e velcro que foi inspirado pelas rebarbas de ervas daninhas.

Photo NSU

Tecnologia low-cost para dessalinizar a agua do mar



Recentemente, cientistas da Universidade Nacional de Singapura inspiraram-se na água-viva para projetar uma pele eletrônica auto regenerativa, elástica e sensível ao toque que poder ter aplicações para desenvolver robôs de pede macia e até mesmo ecrãs sensíveis ao toque.
Já há muito que tentavam fabricar um material artificial que imitasse a natureza resistente à água e que também fosse sensível ao toque.






A equipa de pesquisa, liderada pelo professor assistente Benjamin Tee levou um ano para desenvolver o material em colaboração com a Universidade de Tsinghua e a Universidade da Califórnia Riverside.
Observando as medusas, transparentes e capazes de sentir a humidade, tentaram fabricar um material artificial que pudesse imitar a natureza resistente à água das medusas e, ao mesmo tempo, ser sensível ao toque.


A equipa alcançou seu objetivo criando um gel que consiste num polímero à base de fluorocarbono com um líquido iônico rico em flúor. Em combinação, a 'rede polimérica interage com o líquido iônico por meio de interações íon-dipolo altamente reversíveis, o que permite a auto regeneração.'
Materiais anteriormente autor regeráveis ​​incharam quando húmidos e encolheram quando secos, mas, este material exclusivo pode manter sua forma tanto em ambientes húmidos ou secos e inclusive na água do mar e até mesmo em ambientes ácidos ou alcalinos.
A pele é criada imprimindo o novo material em circuitos eletrônicos. As propriedades elétricas do material mudam quando ele é tocado ou pressionado ou sob tensão. Essas mudanças podem ser medidas e convertidas em sinais elétricos legíveis que podem ser aplicados a uma variedade de diferentes aplicações de sensores.





 A capacidade de impressão em 3D do material também mostra potencial na criação de placas de circuito totalmente transparentes que podem ser usadas em aplicações robóticas. “Espera-se que este material possa ser usado para desenvolver várias aplicações em tipos emergentes de robôs flexíveis ”, acrescentou o professor assistente Tee, que também é do Instituto de Pesquisa e Tecnologia em Saúde Global da NUS Biomedical.
Os materiais macios elásticos e impermeáveis ​​têm muitas vantagens. Pode ser usado para esbater ainda mais a lacuna entre homens e máquinas. Suas propriedades suaves são mais compatíveis com interações humanas e mecânicas. A capacidade de auto regeneração dos materiais também pode reduzir o lixo eletrônico.


Descoberto dispositivo flexível que converte WIFI em eletricidade

Nova ferramenta online permite controlar vida alienígena

Huawei lançou o Mate X com ecrã dobravel


Fonte//InterestingIngenering







Sem comentários:

Publicar um comentário