sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

Os objetivos climáticos do Acordo de Paris



Dois graus Celsius acima dos tempos pré-industriais é a temperatura global que tem ser atingida, de acordo com o Acordo Climático de Paris. No entanto, um recente relatório especial do IPCC mostra que a temperatura global já aumentou um grau Celsius. Um estudo de uma equipe de pesquisa do Instituto de Tecnologia de Karlsruhe (KIT) e da Universidade de Edimburgo mostrou que os esforços anteriores para reduzir os gases de efeito estufa têm sido insuficientes. Suas descobertas são apresentadas na revista Nature Climate Change.


Photo Alteraçoes Climaticas

Plantar triliões de árvores pode anular as emissões de CO2



"Um quarto dos gases de efeito estufa antropogénicos vem do uso excessivo dos recursos naturais da terra e do esgotamento maciço dos absorvedores naturais do carbono", diz o Dr. Calum Brown do Instituto de Pesquisa Ambiental Atmosférica (IMK-IFU), Campus Alpine do KIT. Menos florestas devido á desflorestação, bem como agricultura intensiva e pastorícia estão contribuindo igualmente para as mudanças climáticas, tal como industria usado combustíveis de origem fóssil e motores de combustão interna. "Atingirmos as metas climáticas do Acordo de Paris dependerá fortemente de nossa capacidade de estabelecer mudanças fundamentais e sustentáveis ​​no sistema de uso dos recursos naturais."

O estudo mostra que, se queremos atingir as metas climáticas, precisamos encontrar soluções rápidas, mas realistas, para mudar de forma sustentável o uso dos recursos. Até agora, cerca de 197 países prepararam Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDCs). As ações mais comuns visam reduzir significativamente a desflorestação, reflorestar grandes áreas e reduzir os gases de efeito estufa na agricultura. Por exemplo, a Índia e a China querem reflorestar uma área de até 40 milhões de hectares nos próximos anos. 







Esses planos podem reduzir até 25% dos gases causadores do efeito estufa causados ​​por ações humanas a cada ano. No entanto, muitas vezes são necessárias décadas para que as mudanças sejam visíveis, tempo demais para desacelerar a mudança climática conforme é necessário. Além disso, não existe um quadro vinculativo para NDCs. Eles não precisam ser comprovadamente realizáveis ​​e, na maioria dos casos, não possuem um plano de implementação definido. Esta será talvez a maior dificuldade para atingir a meta de 1,5 graus. Muitas vezes, os PADs não podem entrar em vigor porque, porque as políticas mudam, frequentemente abandonam ou retiram medidas concretas contra o aquecimento global. Um exemplo recente disso é a retirada dos EUA do Acordo de Paris.


 Photo Radio Campanario

A extinção de espécies de insetos indica “colapso da natureza"



Os interesses econômicos também podem mudar as metas políticas nacionais. A desflorestação aumentou 29% no Brasil e 44% na Colômbia. Os números contrastam com o fato de que muitos países queriam reduzir a desflorestação devido ao Acordo Climático. As emissões globais de dióxido de carbono aumentaram novamente em 2017 e 2018.

Metas irrealistas, desenvolvimentos políticos e erros na implementação influenciam o sucesso dos NDCs anteriores. Um ponto importante aqui é a disposição para introduzir inovação em tecnologias, agricultura ou política. Os planos para reduzir o impacto do uso dos recursos naturais devem sempre ter benefícios claros, óbvios e imediatos para os agricultores, pequenos proprietários e silvicultores, já que são eles podem mudar ativamente o uso da terra de maneira sustentável.





Sem comentários:

Publicar um comentário