sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

O que irá acontecer á humanidade se a Antártida colapsar


Cientistas da Nasa descobriram recentemente que a Geleira Thwaites, um gigantesco corpo glacial antártico do tamanho da Grã-Bretanha, tem uma cavidade gigante, com cerca de dois terços do tamanho de Manhattan. A descoberta preocupante levou a questões sobre o que acontecerá se a geleira entrar em colapso total.


Photo RevistaBohemia


Fauna e flora do Artico em perigo



A cavidade glacial, encontrada no fundo de uma geleira noroeste da Antártida com o uso de radar de penetração de gelo e satélites com lentes de alta resolução, foi descoberta por investigadores do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, que consideraram a descoberta “alarmante” e advertiram que a misteriosa cavidade, que contem cerca de 14 biliões de toneladas de água doce congelada, está instável e é uma bomba relógio. A descoberta é vital, disseram os cientistas, porque se demonstrou que o gelo da Antártica está derretendo não apenas nas áreas em contacto com os oceanos, mas também por baixo de suas espessas camadas de gelo.

A preocupação imediata e mais óbvia sobre a descoberta é que, se a geleira Thwaites, que tem uma área de cerca 192.000 quilômetros quadrados, derreter completamente, pode provocar o aumento do nível do mar, em todo o mundo, em cerca de 30 cm. Pode parecer pouco mas, segundo o Instituto Smithsonian , esse aumento seria suficiente para ameaçar as cidades costeiras ao redor do mundo, inundando regiões insulares e levando à erosão do solo.
No ano passado, investigadores da Alemanha, Áustria e Austrália divulgaram um estudo que indicava que o nível do mar devia subir 30 cm no mundo até o ano 2300. As zonas baixas da Flórida e Bangladesh, e nações inteiras como as Maldivas no Oceano Índico, ou Kiribati no Pacífico, estariam ameaçadas. Cidades costeiras altamente povoadas como Xangai, Londres, Nova Iorque e Nova Orleães seriam afetadas também.






Se o aumento do nível do mar chegar mais cedo do que o esperado devido a estes novos fenômenos, anteriormente desconhecidos, como a caverna do Glaciar Thwaites, as nações não vão ter tempo para se preparar para isso”, afirmou o Dr. Ted Scambos, investigador do Centro Nacional de Dados de Neve e Gelo dos EUA , ao USA Today.
Além da enorme quantidade de água doce congelada, acredita-se que a formação de gelo de Thwaites sirva como uma importante barreira, impedindo que as geleiras próximas deslizem em direção ao mar. Se essas geleiras derreterem, o nível do mar aumentará não 30 cm, mas até três metros, afetando áreas habitadas muito mais para o interior e causando ainda mais caos aos ecossistemas locais.



Photo NASA


Os oceanos podem abrigar uma surpresa desagradável



Além de sua possível ameaça à vida selvagem local, os icebergs que se soltam da Antártida podem representar uma grande ameaça às atividades oceânicas, particularmente a navegação. Em 2018, o portal de notícias da Nova Zelândia, Engineering News, alertou que os icebergs da Antártida já representavam um perigo maior para as rotas de navegação do sul. Um ano antes, a Patrulha Internacional do Gelo da Guarda Costeira dos EUA avisou as companhias de navegação que um número extraordinariamente elevado de icebergs que se encontrava nas rotas marítimas nas áreas do norte, tendo mesmo a agência de monitorização feito avisos de perigo "extremo" devido á presença de icebergs no Atlântico Norte.

No início deste mês, pesquisadores do Centro de Pesquisa Antártica da Universidade Victoria de Willington, na Nova Zelândia, e da Universidade McGill, no Canadá, publicaram um artigo na Nature que alertava que os biliões de toneladas de água proveniente do degelo da Groenlândia e Antártica podem resultar em condições climáticas globais mais extremas em todo o mundo e servem para desestabilizar o clima regional num futuro muito próximo.




De acordo com o estudo, a entrada nos oceanos de biliões e biliões de toneladas de água anteriormente congelada tem o potencial de desacelerar a rede global de correntes transportadoras oceânicas que regulam o clima, resultando em períodos mais longos, mais extremos de calor ou frio, períodos húmidos e secos, com variações de temperatura muito maiores.
 A descoberta da enorme cavidade na geleira de Thwaites pode significar que esse processo, que os cientistas neo-zelandeses e canadenses diziam que iria demorar décadas, pode ocorrer muito mais rápido.

Photo Euronews

Dados de satélite segredos sob a Antártida


Finalmente, alguns cientistas, incluindo Lucas Zoet, professor do departamento de geociência da Universidade de Wisconsin-Madison, temem que o colapso da geleira Thwaites possa potencialmente desestabilizar toda a região da Antártida Ocidental.
De acordo com o Dr. Scambos, a descoberta da enorme cavidade na geleira de Thwaites não augura nada de bom para o nosso futuro.
"O problema não é se vai acontecer ou não, o verdadeiro problema é quando isso vai acontecer, e a menos que realmente mudemos a quantidade de gases de efeito estufa que estamos colocando na atmosfera vamos perder grandes áreas da Antártica e grandes áreas na Groenlândia, " afirmou o Dr. Scambos.



Fonte//SputnikNews




Sem comentários:

Publicar um comentário