sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

Monoculturas podem por a agricultura em risco


Um estudo, efetuado por uma equipe internacional de investigadores liderados pelo professor assistente Adam Martin, usou dados da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) para analisar quais os tipos de plantações industriais cultivadas em larga escala de 1961 a 2014.


Photo Futuros Agronomos

As alterações climáticas estão impedindo as plantas de processar o CO2


Descobriram que, por região, a diversidade das culturas na verdade aumentou, na América do Norte, por exemplo, são agora cultivadas 93 espécies diferentes, em comparação com as 80 cultivadas na década de 1960. O problema, é que, em escala global, o contrario esta a acontecer.
Em outras palavras, grandes fazendas industriais na Ásia, Europa, América do Norte e do Sul cultivam o mesmo.

O que está acontecendo são grandes monoculturas de espécies comercialmente lucrativas sendo cultivadas em maior número por todo o mundo. As grandes fazendas industriais estão cultivando apenas uma espécie, que geralmente é apenas um genótipo, em milhares de hectares de terra.
A Soja, o trigo, o arroz e o milho são ótimos exemplos. Somente estas quatro culturas ocupam quase 50% dos terrenos agrícolas do mundo, enquanto as restantes 152 ocupam o resto.






É amplamente assumido que a maior mudança na diversidade agrícola global aconteceu durante a chamada troca de Columbia dos séculos XV e XVI, onde espécies de plantas comercialmente importantes estavam sendo transportadas para diferentes partes do mundo.
Mas os autores descobriram que na década de 1980 houve um aumento maciço na diversidade de culturas globais, já que diferentes tipos de culturas estavam sendo cultivadas em novos lugares em escala industrial pela primeira vez. Na década de 1990, essa diversidade estabilizou-se, e o que aconteceu desde então é que a diversidade entre as regiões começou a declinar.

A falta de diversidade genética nas culturas individuais é bastante óbvia, diz Martin. Por exemplo, na América do Norte, seis genótipos individuais compreendem cerca de 50% de todas as culturas de milho.
Esse declínio na diversidade global das culturas é um problema por vários motivos. Por um lado, afeta a soberania alimentar regional. "Se a diversidade das culturas regionais está ameaçada, isso realmente reduz a capacidade das pessoas de comer ou comprar comida que é culturalmente significativa para elas", diz Martin.
Há também uma questão ecológica. Martin diz que, se há um crescente domínio de algumas linhagens genéticas de culturas, o sistema agrícola global torna-se cada vez mais suscetível a pragas ou doenças. Ele aponta para um fungo mortal que continua a devastar as plantações de banana por todo do mundo como um exemplo.

Photo A Embrapa


Ele espera aplicar a mesma análise em escala global para analisar os padrões nacionais de diversidade de culturas como um próximo passo para a pesquisa. Martin acrescenta que há um ângulo político a ser considerado, já que as decisões dos governos que favorecem o cultivo de certos tipos de culturas podem contribuir para a falta de diversidade.


Antartida está a perder massa de gelo a ritmo alarmante


O estudo, publicado na revista PLOS ONE , recebeu financiamento do Conselho de Pesquisa em Ciências Naturais e Engenharia do Canadá (NSERC).




Fonte //ScienceDaily



Sem comentários:

Publicar um comentário