quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Descoberta mais uma cratera de impacto sob o gelo da Groenlândia



A Groenlândia está coberta por uma das maiores camadas de gelo do planeta, mas, por baixo de todo esse gelo, existem algo que ninguém.
Os investigadores pensam ter encontrado uma segunda grande cratera de impacto por baixo de dois quilômetros de gelo, no noroeste da maiorilha do mundo.
À medida que os cientistas exploram cada vez mais o nosso planeta, é cada vez mais raro encontrar novas crateras de impacto, especialmente em lugares gelados como a Groenlândia ou a Antártida.
De fato, antes de encontrar a primeira cratera de impacto de Hiawatha em novembro do ano passado, a maioria dos especialistas supunha que qualquer evidência de um impacto passado teria sido eliminada pela implacável erosão de gelo dessas regiões.

Photo RadioWebjuazeiro


O dia em que um impacto pôs a Terra líquida


Portanto, é incrivel que, no espaço de apenas alguns meses, tenhamos descoberto o que parecem duas dessas raras crateras, ambas localizadas na Groenlândia.
"Pesquisamos a Terra de muitas maneiras diferentes, a partir de terra, ar e espaço e é emocionante que descobertas como essas ainda sejam possíveis", diz o coautor Joe MacGregor, um glaciologista do Goddard Space Flight Center da NASA.
A descoberta foi possível por meio de uma combinação de imagens de satélite e dados de radar, que permitiram aos investigadores "ver" profundamente sob o gelo.

Foi aqui que eles notaram um padrão circular, a apenas 183 quilômetros da primeira cratera de impacto. Medindo mais de 36 quilômetros de largura o padrão foi encontrado para ter características semelhantes à sua cratera de impacto vizinha, mais especificamente, uma depressão plana, em forma de tigela, cercada por uma borda elevada e picos localizados no centro.
Embora não esteja tão claramente definida como a cratera de Hiawatha, se for confirmada que esta segunda depressão foi causada por um meteorito, será a 22ª maior cratera de impacto já encontrada na Terra, três pontos à frente do Hiawatha.




"A única outra estrutura circular que pode se aproximar desse tamanho seria uma caldeira vulcânica desmoronada", explica MacGregor.
"Mas as áreas de atividade vulcânica conhecida na Groenlândia estão a várias centenas de quilômetros de distância. Além disso, um vulcão tem uma anomalia magnética claramente positiva, e nós não vemos nada disso."
Mas mesmo que Hiawatha tenha uma irmã, é improvável que as duas crateras sejam gêmeas, sendo previsível que a segunda não é apenas maior, é também mais antiga.
Analisando amostras de gelo das proximidades, MacGregor e sua equipe concluíram que a área não tinha tido qualquer impacto há pelo menos 79.000 anos. Isso pode significar duas coisas: que o impacto aconteceu há mais de 79 mil anos, ou aconteceu mais recentemente e o gelo dessa altura simplesmente desapareceu.



Adivinhar a idade de uma cratera, no entanto, é um negócio difícil. Nesse caso, os pesquisadores calcularam que levaria entre cem mil anos e cem milhões de anos  que a erosão do gelo criasse esta cratera e a deixasse como está hoje.
"As camadas de gelo acima desta segunda cratera são inequivocamente mais antigas que as acima de Hiawatha, e a segunda cratera tem sofrido quase duas vezes mais erosão", explica MacGregor.

Não é raro, estatisticamente falando, dois meteoritos diferentes pousarem tão próximos uns dos outros. Dois conjuntos de crateras vizinhas com idades diferentes já foram encontradas na Ucrânia e no Canadá.
"No geral, as evidências que reunimos indicam que esta nova estrutura é muito provavelmente uma cratera de impacto, mas atualmente parece improvável que seja gêmea da de Hiawatha."



Fonte// ScienceAlert





Sem comentários:

Publicar um comentário