quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

Cientistas avisam que o oceano está ficando sem oxigênio


Os cientistas comprovaram recentemente que a causa da morte de praticamente toda a vida marinha durante a maior extinção em massa da história da Terra foi o aquecimento global. Com os oceanos mais quentes, o metabolismo dos animais foi acelerado, ao mesmo tempo em que as águas do planeta ficavam com menos oxigênio. Essa combinação foi fatal. Este olhar para o passado é importante para evitar que algo parecido se repita no futuro. Pode parecer um cenário muito distópico, mas os sinais estão se repetindo.

Photo The  Richest

2018, foi o ano mais quente dos oceanos



 De acordo com vários estudos, o oxigênio, necessário para escapar de predadores, executar o processo de digestão, respiração e outras atividades animais, não está tão abundante como era para a vida marinha no planeta Terra.
Na última década, os níveis de oxigênio nos oceanos caíram drasticamente, uma tendência alarmante e veloz ligada à mudança climática. “Ficamos surpresos com a intensidade das mudanças que vimos, a rapidez com que o oxigênio está baixando no oceano e o enorme efeito nos ecossistemas marinhos”, diz Andreas Oschlies, oceanógrafo do Centro Helmholtz de Pesquisas Oceânicas Kiel (Geomar), na Alemanha, cuja equipe monitoriza os níveis de oxigênio nos oceanos em todo o mundo, numa entrevista para a revista Scientific American.


O maior problema, segundo Oschlies, é a velocidade e a escala da queda dos níveis de oxigênio, uma questão que exige atenção urgente, diz o pesquisador. Os níveis de oxigênio em algumas regiões tropicais baixaram uns impressionantes 40% nos últimos 50 anos, revelam alguns estudos recentes. Globalmente, os níveis baixaram uma média de 2%.









Animais marinhos grandes e pequenos são afetados até mesmo por pequenas alterações no oxigênio, buscando refúgio em zonas com mais oxigênio ou ajustando o seu comportamento. Esses ajustes podem expor estes animais a novos predadores ou empurra-los para regiões com escassez de alimentos. A mudança climática produz outros sérios problemas para a vida marinha, como a acidificação dos oceanos, mas a desoxigenação é a questão mais urgente que os animais marinhos enfrentam atualmente, segundo Oschlies.
 As condições físicas que explicam a menor quantidade de oxigênio em águas mais quentes são simples. Um oceano aquecido perde oxigênio por duas razões: primeiro, quanto mais quente um líquido se torna, menos gás ele pode conter. Em segundo lugar, quando o gelo polar do mar derrete, forma uma camada de água superior na superfície do mar sobre águas mais frias e mais salgadas. Este processo cria uma espécie de tampa que pode impedir que as correntes misturem águas superficiais com as mais profundas. E como todo o oxigênio entra neste habitat na superfície, seja diretamente da atmosfera ou do fitoplâncton que vive na superfície, produzindo-o durante a fotossíntese, menos mistura significa menos oxigênio em maiores profundidades.

A preocupação dos cientistas está localizada em mudanças nos ecossistemas dos oceanos abertos e perto dos polos, locais que costumavam ter muito oxigênio. As regiões costeiras perto do equador são locais de baixo nível de oxigênio porque são águas ricas em nutrientes, onde as bactérias consomem oxigênio à medida que se alimentam dos seres marinhos mortos.

Os modelos climáticos que projetam mudanças futuras subestimaram rotineiramente as perdas de oxigênio já observadas nos oceanos do mundo”, afirmou Oschlies na revista Nature no ano passado.
Os efeitos de quedas no oxigênio em locais onde o zooplâncton se reúne foram documentados num relatório de dezembro de 2018 da Science Advances. “Eles são muito sensíveis”, diz Karen Wishner, líder do estudo, oceanógrafa da Universidade de Rhode Island, nos EUA.
Algumas espécies destes seres na base da cadeia alimentar nadam para águas mais frias e profundas, com mais oxigênio. Porém, chega a um ponto onde afundar mais é mais difícil encontrar comida ou se reproduzir em águas com temperaturas mais baixas.


Zooplankton. Photo: Matt Wilson/Jay Clark, NOAA NMFS AFSC Wikimedia

Derretimento do gelo antártico pode submergir cidades inteiras



Além destes efeitos, os animais enfrentam vários outros desafios fisiológicos à medida que seus corpos se ajustam para reduzir os níveis de oxigênio. Segundo um estudo sobre Fisiologia e Comportamento Marinho e de Água Doce feito no mês passado, camarões chineses balançam suas caudas de forma menos vigorosa para economizar energia em ambientes com menos oxigênio, tornando-se menos ágeis, o que os fez ter menos hipóteses de sobrevivência na natureza.
 Outro estudo, de 2016, mostrou que alguns peixes machos produzem menos espermatozoides à medida que os níveis de oxigênio diminuem, e a tendência parece não se recuperar nas gerações futuras quando os níveis de oxigênio melhoram.








Funções sensoriais básicas, como visão e audição, também podem diminuir num oceano pobre em oxigênio. Estudos já mostraram que mesmo pequenas quedas no oxigênio prejudicam a visão em alguns seres do zooplâncton, da mesma forma que acontece com humanos quando vão para grandes altitudes e respiram ar rarefeito. Muitas espécies de zooplâncton confiam na visão para migrar pela coluna de água para evitar predadores, então a perda de visão pode impedir sua capacidade de captá-las.

Algumas criaturas, como as medusas, são mais tolerantes os baixos níveis de oxigênio do que outras. Mas todos os animais sentirão o impacto da desoxigenação. “Qualquer queda no oxigênio vai prejudicar a capacidade de sobrevivência e desempenho”,. diz American Brad Seibel, oceanógrafo da Universidade do Sul da Flórida, à Scientific.

Um mapa dos níveis de oxigênio dissolvido nos oceanos ( a ) e como os níveis de oxigênio diminuíram ou subiram por década.
 Photo Schmidtko, et al., Nature 2017



O que irá acontecer á humanidade se a Antártida colapsar


Além da ameaça direta à vida de todo o ecossistema marinho, a falta de oxigênio nos oceanos também terá impacto na sociedade humana. À medida que regiões ricas em oxigênio se tornam mais escassas, os atuais habitats de peixes também diminuirão e forçarão espécies economicamente importantes, como o atum, que gera globalmente cerca de 42 mil milhões de dólares por ano, a habitarem novas zonas. Investigadores americanos descobriram que o habitat para o atum e a pesca do espadarte diminuíram 15% entre 1960 e 2010 no nordeste dos EUA devido à perda de oxigênio.


As “zonas mortas”, onde o oxigênio desaparece por completo, podem forçar alguns peixes a buscar áreas de oxigênio mais altas. Isso pode ajudar os pescadores a encontrá-los porque os peixes se reúnem nessas áreas condensadas, mas também fornece uma falsa sensação de abundância que não será sustentável a longo prazo, observa Seibel.

Para tentar alertar o mundo e resolver o problema da desoxigenação dos oceanos, Oschlies ajudou a organizar uma conferência internacional sobre o assunto em Kiel, na Alemanha, em setembro do ano passado. Os participantes elaboraram uma declaração chamada Declaração de Kiel sobre a desoxigenação oceânica para conscientizar os governos internacionais, as Nações Unidas e o público, bem como exigir ações imediatas.

Os cientistas agora querem que governos e grupos internacionais façam avanços mais sérios para diminuir a mudança climática e reduzir a poluição, fator que agrava a diminuição do oxigênio. Os investigadores modelaram a nova declaração após a Declaração de Mônaco, que Oschlies acredita ter ajudado a aumentar a conscientização internacional sobre a acidificação dos oceanos, em 2008.

É realmente um alerta para o público e para as várias agências governamentais e internacionais que essa é uma questão importante”, diz Wishner, um dos mais de 300 cientistas de mais de 30 países que assinaram a declaração. Seibel, também signatário, disse à Scientific American, achar ser uma situação terrível.


Os oceanos podem abrigar uma surpresa desagradável






Sem comentários:

Publicar um comentário