terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

As alterações climáticas mudarão em breve a cor dos nossos oceanos.


Até o final do século, ou mesmo antes, os oceanos serão mais azuis ou mais verdes, tudo provocado pelo aquecimento global, disseram cientistas na segunda-feira.
E, embora a mudança de cor seja quase impercetível, isso pode indicar as profundas mudanças que estão a acontecer na variedade da vida marinha.


Photo (NASA Earth Observatory)


Preocupante. Os oceanos estão a aquecer 40% mais rápido que era previsto




As cores azuis e verdes serão mais visíveis na superfície, indica o estudo do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla original), devendo os satélites detetar essas mudanças de tonalidade, alertando para transformações em larga escala nos ecossistemas marinhos.
 Os investigadores desenvolveram um modelo global que simula o crescimento e a interação das diferentes espécies de fitoplâncton, e como, à medida que as temperaturas aumentam, a mistura de espécies vai mudar, segundo um artigo publicado na revista Nature Communications
Os investigadores fizeram projeções do modelo até ao fim do século e descobriram que em 2100 mais de metade dos oceanos mudará de cor devido às alterações climáticas.

Num mundo que aquece 3 graus Celsius (5,4 graus Fahrenheit), descobriu-se que várias mudanças na cor dos oceanos ocorreriam.
O modelo indica que áreas atualmente azuis com pouco fitoplâncton, como os subtrópicos, podem ficar ainda mais azuis. Mas noutras, como as do Ártico, um aquecimento tornará as condições mais favoráveis para o fitoplâncton, e essas áreas ficarão mais verdes.
Stephanie Dutkiewicz, do Departamento de Ciências Terrestres, Atmosféricas e Planetárias, principal autora do estudo, afirma que o modelo sugere que as mudanças não serão visíveis facilmente a olho nu, mas irão afetar a cadeia alimentar que o fitoplâncton sustenta.





Quaisquer que sejam as mudanças da cor oceânica nas próximas décadas provavelmente serão muito graduais e sutis para a maioria das pessoas perceberem, mas no mundo científico, eles poderiam significar mudanças significativas.
A cor do oceano varia da maneira em como a luz do sol interage com o que está na água. As moléculas da água absorvem quase toda a luz do sol exceto a parte azul do espetro, que é refletida de volta. Por isso, os grandes “desertos” oceânicos, são vistos do espaço com azul intenso. Quando existem organismos na água eles podem absorver e refletir diferentes comprimentos de luz.

O fitoplâncton contém a clorofila, um pigmento que absorve especialmente a parte azul da luz do sol para produzir carbono para a fotossíntese. Como absorve menos luz verde essa luz é refletida, dando às regiões ricas em algas um tom esverdeado.
 Stephanie Dutkiewicz  afirma que vai demorar um pouco até que possamos estatisticamente mostrar isso. Mas a mudança na cor do oceano será um dos primeiros sinais de alerta de que realmente mudamos nosso planeta.


Cientistas recriaram uma super onda em laboratório




Sem comentários:

Publicar um comentário