sábado, 4 de agosto de 2018

O Triângulo das Bermudas: um terreno fértil para ondas malignas ou um acumular de erros humanos?

O Triângulo das Bermudas é um misterioso trecho do oceano entre Bermudas, Porto Rico e a ponta da Flórida, supostamente, ao longo dos anos, engoliu uma horda de navios, aviões e pessoas desavisados.

 

Muitas são as história sobre os desaparecimentos. Aliens capturaram os humanos para pesquisas. Tempestades geomagnéticas confundiram os sistemas de navegação dos pilotos . O continente perdido da Atlântida sugou os navios com uma força misteriosa e não identificada. Melhor ainda, fortes vórtices sugavam as vítimas diretamente para outra dimensão.

Mas cientistas ao longo dos anos têm apontado que existem explicações plausíveis para os desaparecimentos, e que os riscos de viajar pelo Triângulo das Bermudas não são diferentes de outros pontos no oceano

 

As embarcações poderiam facilmente ter sido superadas por ondas gigantes e inesperadas. Esta hipótese não é nova , e um grupo de cientistas do Reino Unido discutiu recentemente as evidências de ondas esquisitas e outras teorias (incluindo o papel do erro humano) em uma série de três episódios do documentário "The Bermuda Triangle Enigma", produzido pela BBC para Canal 5.

 

"Não há dúvida de que esta área é propensa a ondas descomunais", disse Simon Live, um oceanógrafo da Universidade de Southampton e um dos cientistas da equipe, à Live Science. Eles são possíveis "em qualquer lugar onde várias tempestades se unem".

 

Ondas gigantes são íngremes e altas, como "paredes de água", e muitas vezes acontecem inesperadamente, de acordo com a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica . A África do Sul, por exemplo, é muito propensa a eles, onde ondas de tempestades no Oceano Atlântico Sul, no Oceano Índico e no Oceano Antártico se juntam de uma só vez, disse Boxall. De fato, houve desaparecimentos semelhantes de grandes navios de contentores e navios-tanque na África do Sul ao longo dos anos, disse ele.

 

Isso também vale para o Triângulo das Bermudas, onde as tempestades podem vir de todas as direções, como o México, o equador e mais a leste no Atlântico. Se cada onda pode atingir mais de 30 pés (10 metros) de altura, ocasionalmente eles podem coincidir no momento certo e criar uma onda desencontrada, ou "louca", que pode ter mais de 30 metros de altura.

 

Engenheiros da Universidade de Southampton, na Inglaterra, construíram alguns modelos de navios, incluindo um dos USS Cyclops, um navio que desapareceu no Triângulo das Bermudas em 1918, com mais de 300 pessoas a bordo.

 

Eles simularam ondas gigantes  num tanque de ondas e descobriram que, de fato, os navios podem afundar rapidamente se atingidos por eles. Quanto maior o navio, maior a dificuldade em permanecer à tona. Pequenos navios podem ser inundados , mas às vezes eles podem surfar a onda se baterem nela, disse Boxall.

 

Bolhas de gás, anomalias magnéticas ... seres humanos sendo humanos?


As pessoas costumam falar sobre estranhas anomalias magnéticas no Triângulo das Bermudas, disse Boxall. "Não há nenhum", disse ele. Existem anomalias magnéticas no mundo que têm a ver com o manto da Terra movendo-se abaixo da crosta, mas a mais próxima fica a cerca de 1.600 quilômetros ao sul, na costa do Brasil - muito distante do Triângulo das Bermudas, ele disse.

 

Outra teoria tem a ver com bolsões de gás metano explosivo que poderiam, devido a alguma perturbação, flutuar em direção à superfície da água e fazer com que a água fosse menos densa do que o navio, levando o navio a afundar. No entanto, nenhuma experiencia até o momento foi capaz de provar que isso é possível, disse Boxall.

 

"Teoricamente, isso pode estar acontecendo, mas há muitos lugares no mundo onde isso pode acontecer", não apenas no Triângulo das Bermudas, disse Boxall. Em vez disso, ele acha que a causa mais comum dos misteriosos desaparecimentos é o erro humano

O famoso desaparecimento do vôo 19 - cinco aeronaves da Marinha dos EUA que desapareceram durante uma missão de treio em 1945 - que levou um jornalista em 1964 a dar o nome atual à área, provavelmente ocorreu porque a tripulação se perdeu e ficou sem combustível, disse Boxall.

 

Cerca de um terço de todas as embarcações oceânicas registradas e de propriedade privada nos EUA estão nos estados e ilhas da região do Triângulo das Bermudas, disse ele. E de acordo com os números mais recentes da Guarda Costeira de 2016, 82% dos incidentes nessa área naquele ano envolveram pessoas que não tinham nenhum treino formal ou experiência de estar no mar, ele acrescentou.

 

"Muitas vezes,  no mar, encontramos pessoas que estão navegando usando um mapa rodoviário, que estão confiando em seus telefones celulares como meio de comunicação, descobrindo ... você ganha 30 milhas offshore [e] você perde o sinal ", disse Boxall.

 

Além disso, "considerações ambientais poderiam explicar muitos, se não a maioria, dos desaparecimentos", escreveu a NOAA em seu site. "O oceano sempre foi um lugar misterioso para os humanos, e quando o mau tempo ou a má navegação estão envolvidos, pode ser um lugar muito mortal."

 

A NOAA também diz que a área pode estar sujeita a acidentes devido à Corrente do Golfo , uma forte e rápida corrente oceânica que pode causar "mudanças rápidas e às vezes violentas no clima" e águas rasas ao redor das ilhas do Caribe que podem ser fatais para os navios.

 

" Pode-se estender o Triângulo das Bermudas a áreas cada vez maiores ... e descobriremos que o Triângulo das Bermudas cobre todo o globo", disse Boxall. "Ondas gigantes podem atingir muitos lugares diferentes, bolhas de metano podem atingir muitos lugares diferentes, e onde quer que seja  uma alta concentração de amadores sem qualquer experiência, equivale a uma alta concentração de misteriosos desaparecimentos."

 

Mas, quem sabe, talvez sejam alienígenas capturando humanos ​​usando vórtices que levam directo para os laboratórios que eles montaram na cidade perdida de Atlântida.

 

Fonte//LiveSience

Desde que o piropo é crime, as acusações por importunação sexual têm aumentado

O Ministério Público concluiu 93 acusações por importunação sexual, que envolve propostas de teor sexual através de “piropos”, atos exibicionistas e constrangimento e instaurou 870 inquéritos em 2017, números que têm vindo a aumentar.

Segundo dados fornecidos à agência Lusa pela Procuradoria-Geral da República, no ano passado o Ministério Público deduziu 93 acusações e instaurou 870 inquéritos por suspeitas do crime de importunação sexual, autonomizado no Código Penal (CP) a partir de 5 de agosto de 2015.

Segundo o artigo 170.º do CP, “quem importunar outra pessoa, praticando perante ela atos de caráter exibicionista, formulando propostas de teor sexual ou constrangendo-a a contacto de natureza sexual, é punido com pena de prisão até um ano ou com pena de multa até 120 dias”.

Em 2016, o Ministério Público instaurou 733 inquéritos por suspeitas de importunação sexual e no mesmo período deduziu 75 acusações. Um ano antes, foram instaurados 659 inquéritos e deduzidas 64 acusações.



Verifica-se que o número de inquéritos e de acusações tem vindo a aumentar nos últimos três anos, desde que a importunação sexual foi definida penalmente como crime autónomo.

As alterações legislativas de 2015, que abrangem os crimes de violação, coação sexual e importunação sexual, deram cumprimento ao disposto na Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção e o Combate à Violência Contra as Mulheres e a Violência Doméstica.

A lei criou também o crime de perseguição, estipulando que quem assedie outra pessoa, por qualquer meio, direta ou indiretamente, de forma adequada a provocar-lhe medo ou inquietação ou a prejudicar a sua liberdade de determinação, onde se podem incluir também os “piropos”, é punido com três anos de cadeia ou pena de multa.

 

Fonte//Zap aeiou

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

Zoe Carew tem 7 anos e convenceu a Nova Zelândia a mudar sinais sexistas

O Departamento de Transportes da Nova Zelândia (NZTA) vai alterar os avisos que indicam a presença de homens operários a trabalhar nos cabos e postes de eletricidade, depois da carta indignada de uma menina de sete anos.

 

De acordo com o The Guardian, a carta foi escrita por Zoe Carew, uma menina de sete anos que ficou indignada quando ia na rua e foi confontada com os avisos sobre a presença dos “linemen” – “homens da linha” literalmente -, isto é, os funcionários que trabalham nos cabos e postes de eletricidade do país.

 

“Porque é que o sinal diz ‘linemen’ quando as pessoas que trabalham nas linhas tanto podem ser homens como mulheres? Acho que está errado e é injusto. Concorda?”, questionou Zoe numa carta endereçada a Fergus Gammie, chefe executivo do Departamento de Transportes da Nova Zelândia (NZTA).

 

“Na verdade, eu não quero trabalhar em linhas elétricas quando for grande porque acho que existem coisas muito mais excitantes que gostava de fazer, porém, algumas raparigas podem querer aprender a ser ‘linewomen’”, pode ler-se na carta.

 

“Poderia, por favor, mudar o sinal para ‘line-workers’ ou para algum termo mais correto e justo?”, perguntou Zoe. Segundo o jornal britânico, Gammie concordou: a NZTA vai mesmo atualizar o sinal para “line crew”.

 

 

 

Numa carta de resposta, orgulhosamente partilhada pela mãe da menina no Facebook, o responsável agradeceu não só a sugestão mas também por “decidir agir quando considera que alguma coisa injusta deve ser alterada”. “Muito bem”, lê-se na missiva.

 

Como a sugestão da criança (“line-workers”) iria exigir que o tamanho dos sinais também fosse aumentado, Gammie declarou que tinham chegado à solução de “line crew” porque assim já caberia na dimensão dos avisos atuais.

 

Porém, a substituição não será para já. “Os novos sinais vão substituir os antigos quando estes precisarem de ser trocados, o que poderá levar algum tempo”, explicou ainda.

 

Fonte//ZapAeiou

Ataque suicida mata 39 pessoas em mesquita xiita no leste do Afeganistão


Um ataque suicida contra uma mesquita xiita situada no leste do Afeganistão deixou 39 mortos e 80 feridos nesta sexta-feira (3), informaram autoridades do governo e da polícia. Disfarçados de mulheres, dois homens invadiram a mesquita Khawaja Hassan, que fica em Gardez, na província de Paktia, perto da fronteira paquistanesa. Segundo as autoridades locais, eles…

via Ataque suicida mata 39 pessoas em mesquita xiita no leste do Afeganistão — VEJA.com

Quatro tipos de dor de cabeça

Existem diferentes tipos de dor de cabeça que podem ocorrer por diversas causas e em diferentes regiões da cabeça. Alguns tipos de dor de cabeça podem ainda fazer-se acompanhar por outros sintomas, dependendo da causa que está na sua origem.

 

O tratamento depende do tipo de dor de cabeça e geralmente consiste na administração de remédios analgésicos e anti-inflamatórios ou medicamentos que resolvam a causa de dor de cabeça, como é o caso da sinusite, por exe

Dor de cabeça tensional




Este é um tipo de dor de cabeça causada pela rigidez dos músculos do pescoço, costas ou couro cabeludo, que pode ser causado por uma má postura, stress, ansiedade ou má posição durante o sono.

 

Os sintomas mais comuns da cefaleia tensional são dor em forma de pressão, como se tivesse um capacete na cabeça, dor que afeta os dois lados na nuca ou na testa e sensibilidade excessiva nos ombros, pescoço e couro cabeludo..

O que fazer


 

Para aliviar a dor de cabeça tensional, deve-se tentar relaxar fazendo uma massagem no couro cabeludo, tomar um banho quente ou fazer alguma atividade, por exemplo. Se isto não resultar, pode ser necessário tomar remédios analgésicos, como paracetamol, ibuprofeno ou aspirina, por exemplo.

Enxaqueca




A enxaqueca caracteriza-se por uma dor de cabeça intensa e pulsante, que pode ser acompanhada de náuseas, vômitos, tonturas e sensibilidade à luz solar.

 

Este tipo de dor de cabeça tem uma duração média de 3 horas, mas em alguns casos, pode permanecer durante 72 horas e geralmente incide mais sobre um lado da cabeça, podendo também prejudicar a visão e causar sensibilidade a certos cheiros e dificuldade de concentração.

 

O que fazer


 

Os remédios mais usados para tratar a enxaqueca são analgésicos e anti-inflamatórios, como o paracetamol, ibuprofeno ou aspirina, que ajudam a aliviar a dor em algumas pessoas e medicamentos que causam constrição dos vasos sanguíneos e bloqueiam a dor, como é o caso dos triptanos, como o Zomig, Naramig ou Sumax, por exemplo.

 

Para as pessoas que sentem enjoos e têm vômitos, podem tomar antieméticos como a metoclopramida, por exemplo.

Dor de cabeça associada a sinusite




A sinusite caracteriza-se por uma inflamação dos seios nasais, que na maior parte das vezes causa dor de cabeça ou na face, que piora quando se baixa a cabeça ou a pessoa se deita.

 

Além da dor de cabeça causada pela sinusite, podem-se manifestar outros sintomas, como dor ao redor do nariz e em volta dos olhos, corrimento e congestão nasal, tosse, febre e mau hálito.

 

O que fazer


 

Para tratar a sinusite e aliviar a dor de cabeça, podem ser usados remédios anti-histamínicos, como a loratadina ou cetirizina, por exemplo, descongestionantes como a fenilefrina e analgésicos como o paracetamol, por exemplo

Cefaleia em salvas




A cefaleia em salvas é uma doença rara, que se caracteriza por uma dor de cabeça muito forte e lacinante, mais forte que a enxaqueca, que atinge apenas um lado da face e surge maior parte das vezes durante o sono.

 

Outros sintomas que podem surgir durante uma crise são corrimento nasal, inchaço da pálpebra e vermelhidão e lacrimejamento do olho do mesmo lado da dor. Veja mais sobre esta doença.

 

O que fazer


 

Geralmente a doença não tem cura e os tratamentos não são muito eficazes, nem solucionam as crises, apenas as atenuam ou diminuem a sua duração. Os remédios mais usados são anti-inflamatórios não esteróides e analgésicos fortes, como os opióides e máscara de oxigênio a 100% nos momentos de crise.

 

Além destes tipos de dor de cabeça, ela também pode surgir devido a causas como alterações hormonais, hipertensão ou lesões na cabeça.

Fonte//Tuasaude

Uma tempestade solar desloca-se em direcção à Terra. É motivo para preocupação?

Ventos solares  originadas por um buraco na coroa do sol, viajam através do espaço e vão atingir o nosso planeta.

Esses ventos podem gerar uma tempestade magnética na terça-feira, prevê a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA). Mas o que é uma tempestade magnética e o que isso significa para as pessoas na Terra? As tempestades magnéticas são perturbações da magnetosfera do nosso planeta, uma bolha de espaço ao redor da Terra que é criada pelo seu campo magnético. O vento solar pode interferir nessa bolha na medida que a energia é transferida do vento para a magnetosfera.

O Sol é um redemoinho quente de gases muito quentes , que às vezes expelem bilhões de toneladas de partículas carregadas em ejeções de massa coronal. Um buraco na coroa do sol, a camada mais externa de sua atmosfera, é a causa do vento solar.

A tempestade esperada na terça-feira é o resultado de gases que saem de um buraco coronal e se deslocam em direção ao nosso planeta em alta velocidade.
O campo magnético da Terra impedirá que a maioria das partículas carregadas transportadas pelo vento solar cheguem ao nosso planeta. Os satélites que orbitam ao redor da Terra, no entanto, podem ser atingidos por partículas solares.  -
Tempestades magnéticas podem causar problemas com GPS, telemovies e TV via satélite. Pode também  afetar a orientação dos satélites, e dificultar sua comunicação com a Terra. Mas como a tempestade de terça-feira é relativamente pequena, provavelmente terá apenas um pequeno impacto nos satélites.
As tempestades magnéticas podem ter efeitos estranhos na natureza. Mesmo tempestades menores podem interferir nos padrões migratórios normais de alguns animais. Nas regiões r de maior latitude, como Maine ou Michigan, nos EUA causa a bem conhecida aurora boreal

Estas pequenas tempestades são bastante comuns, ocorrendo em 900 dias a cada 11 anos do ciclo solar

Embora a NOAA espere que a o auge da tempestade na tarde de terça-feira, o nosso campo geomagnético permanecerá instável até pelo menos quinta-feira.

 

Fonte//Saibatananet

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Bombardeios em cidade portuária no Iêmen deixam 52 mortos


Pelo menos 52 pessoas morreram e 102 ficaram feridas em um bombardeio que atingiu um mercado de peixes e frutos do mar e a entrada de um hospital em Hudaida, no Iêmen, informaram as autoridades locais nesta quinta-feira (2). “Até o momento, contabilizamos 52 mortos e 102 feridos no mercado e na entrada do hospital”,…

via Bombardeios em cidade portuária no Iêmen deixam 52 mortos — VEJA.com

Depois de nove meses e queda de 90% no preço, Mercado Bitcoin libera saques em BTG

Foram meses e meses de reclamações de usuários inundando as redes sociais, mas depois de 270 dias a exchange de criptomoedas Mercado Bitcoin liberou os saques do Bitcoin Gold.

 

Em 24 de outubro de 2017, quando houve o fork do BTG, quem tivesse bitcoins na corretora seria creditado com uma quantia de igual valor em Bitcoin Gold. Um fork é uma divisão a partir do Blockchain original. É uma cópia até um determinado ponto onde passam a vigorar novas regras como o que aconteceu com Bitcoin Cash, por exemplo.

 

Na prática, é importante frisar, ninguém perdeu dinheiro com a falta de acesso à nova criptomoeda, mas muitos deixaram de ganhar já que o BTG foi de US$ 300 no ano passado para US$ 30 no momento.

 

A trader Camila Guimarães foi uma das pessoas que se sentiu prejudicada. “Falaram que a liberação ocorreria em algumas semanas, mas passou de 6 meses. Essa situação no mercado de cripto é inaceitável por causa da volatilidade. Quem utilizou outras exchanges ou estava com o btc na carteira conseguiu utilizar o saldo, vender ou transferir”.

 

 

Questionado sobre a situação, o CEO do Mercado Bitcoin, Gustavo Chamati, disse por email por meio da assessoria de imprensa da empresa que a rede do Bitcoin Gold apresentou diversas vulnerabilidades de segurança, o que foi um dos motivos da demora na liberação. “Tomamos essa decisão [de não permitir os trades] para garantir a segurança e a confiabilidade das transações para os usuários”.

 

Depois dos sucessivos problemas, a exchange decidiu que iria suspender o projeto de listar o Bitcoin Gold para negociação na plataforma. Conforme o CEO, “permitimos que os usuários que apresentam saldo em BTG façam troca por Bitcoin ou transferência de Bitcoin Gold para uma carteira externa”.

 

A quantidade de BTGs em posse da corretora não foi informado, mas era a quantidade equivalente de Bitcoins que se encontrava na plataforma naquele momento. A exchange afirmou ao Portal do Bitcoin que todos os Bitcoins Gold em uma cold wallet (não conectada à internet).

 

Embora qualquer transação fique marcada no blockchain, como as carteiras não são públicas, não foi possível confirmar que não houve movimentação.

 

De acordo com a empresa, não haverá nenhum tipo de compensação aos usuários já que as flutuações de preços não podem ser controladas. Outras exchanges, porém, ofereceram os ‘dividendos’ do fork e liberaram os saques mais rapidamente.

 

Em sua resposta, Chamati reforçou diversas vezes a importância da segurança: “Mercado Bitcoin priorizou a proteção dos clientes contra possíveis problemas associados a vulnerabilidades com o Bitcoin Gold”.

 

Fragilidades da moeda

Desde a sua criação, a rede do BTG passou por pelo menos dois problemas graves. Logo no lançamento foi descoberto suposto trecho de código do BTG que pagaria uma taxa escondida de 0,5% a mineradores para uma wallet falsa que funcionaria no site oficial da moeda e que gerou prejuízo para os próprios usuários.

 

O segundo ataque ocorreu no final de maio quando um hacker fez um ataque de gasto duplo na rede. Na ocasião, diversas exchanges registraram perdas acumuladas de US$ 18,6 milhões.

 

Fonte// O Portal do Bitcoin

Alf, o extraterrestre teimoso de volta

O extraterrestre mais teimoso e querido está de volta! A Warner Bros. está trabalhando em uma reedição de uma série clássica dos anos 1980:  ALF, O  ETeimoso !

 

Embora por enquanto nenhum dos nomes envolvidos no projeto tenham sido divulgados, o TVLine confirma que a Warner Bros. está atualmente em busca de um guionista  para encabeçar este desenvolvimento. A série original foi exibida nos Estados Unidos pelo canal NBC.

 

Produzida entre 1986 e 1990 e assinada por Paul Fusco e Tom Patchett, a série acompanha a história de um alienígena baixinho, peludo e arrogante, do planeta Melmac.

Um certo dia, ele surge na casa da família Tanner, que decide chamá-lo de ALF — um acrônimo para Alien Life Form. Embora ele sinta saudades de seu planeta, Alf acaba encontrando muita diversão com os Tanner e decide ficar na Terra por um tempo. Max Wright, Anne Schedeen, Andrea Elson e Benji Gregory. compuseram o elenco principal.

 

Fonte//MSNentretinimento

Como cuidar da pele com receitas naturais


Ter o rosto lisinho livre de manchas, espinhas e marcas de expressão é a vontade de milhares de pessoas, principalmente, mulheres. Para isso existem cuidados diários que devemos ter para melhorar a aparência e aspecto da pele. Sabemos que um dos maiores cuidados são as máscaras faciais para o rosto que dão uma solução rápida, […]

via Como cuidar da pele com receitas naturais — Crescendo aos Poucos

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Gases com efeito de estufa atingiram níveis recorde em 2017

Os gases com efeito de estufa atingiram níveis recorde em todo no mundo em 2017, um ano marcado por temperaturas anormalmente elevadas e uma fusão do gelo sem precedentes no Ártico, segundo um documento de referência publicado hoje.

 

relatório anual publicado pela agência dos EUA para os oceanos e a atmosfera, NOAA, e pela sociedade norte-americana de meteorologistas divulga um conjunto de indicadores que mostra a aceleração em 2017 do aquecimento do planeta.

Este aquecimento resulta da combustão de energias fósseis, que aumentam a concentração de gases com efeito de estufa na atmosfera.



Ver Mais

Centenas de peixes e tartarugas mortas dão á costa nas praias da Florida

Dezenas de peixes mortos sujam as praias de praias no sudoeste da Flórida, e centenas de tartarugas mortas e doentes foram arrastadas para as praias nas últimas semanas - todas vítimas de uma maré vermelha tóxica causada pela alga unicelular Karenia brevis  .

 

As florações de algas ocorrem sazonalmente no Golfo do México, quando as condições da água permitem que suas populações explodam e se espalhem. Mas o evento deste ano inclui especialmente altas quantidades de algas que produzem uma toxina, e o impacto sobre a vida selvagem marinha é devastador, afetando aves marinhas e também peixes e tartarugas em números sem precedentes, informou o Fort Myers News-Press .

 

As toxinas das algas também podem ser perigosas para os humanos se inaladas, especialmente para aquelas pessoas que têm problemas respiratórios. As concentrações de algas em algumas áreas costeiras foram tão altas que o Serviço Nacional de Meteorologia  emitiu alertas de perigo para as praias durante o fim de semana, alertando sobre os riscos de irritação respiratória. Essas advertências continuam em vigor a partir de hoje de acordo com o NWS

 

 

Embora as algas K. brevis apareçam individualmente esverdeadas, em concentrações suficientemente altas, seus pigmentos fotossintéticos frequentemente colorem as águas oceânicas de vermelho ou marrom, ganhando o nome de " maré vermelha ", disse Michelle Kerr, porta-voz da Comissão de Conservação de Peixes e Vida Selvagem da Flórida (FWC). Ciência Viva.

 

Qualquer floração de algas que produza toxinas é tipicamente chamada de "marés vermelhas", acrescentou ela. "Marés vermelhas causadas por outras espécies de algas podem parecer vermelhas, marrons, verdes ou até roxas. A água também pode permanecer sua cor normal durante a florada", disse ela.

 

As toxinas produzidas por essas algas em particular podem ser inaladas ou ingeridas e afetar o sistema nervoso dos animais marinhos, explicou Kerr. Animais que consomem as algas absorvem suas toxinas; eles então se tornam venenosos para outros animais. Desta forma, uma maré vermelha pode gerar ondas tóxicas que dizimam toda uma cadeia alimentar aquática, disse Kerr.

 

Uma tartaruga  de 230 libras foi trazida para a Clínica de Reabilitação da Vida Selvagem em Sanibel, Flórida, sofrendo os efeitos da maré vermelha.

 

 

A mortalidade por tartarugas marinhas durante a atual maré vermelha está muito acima da média, com 287 tartarugas mortas neste ano, disse Kerr. Em comparação, nos anos anteriores, o número médio de tartarugas marinhas encalhadas relatadas para os mesmos municípios durante o mesmo período do ano é geralmente metade desse número.

 

Uma rara casualidade da maré vermelha neste ano foi um jovem tubarão-baleia que encalhou na ilha Sanibel em 22 de junho - o tubarão morto testou positivo para as algas K. brevis , de acordo com o News-Press.

 

 

As baixas na vida selvagem da maré vermelha são provavelmente ainda maiores do que o número de animais mortos e moribundos encontrados nas praias, já que a maioria das vítimas provavelmente vai para o fundo do mar, segundo a News-Press.

 

Para as pessoas as marés vermelhas podem provocar  lacrimejamento, espirros ou tosse; e aqueles com asma, enfisema ou outras condições respiratórias podem ser mais vulneráveis ​​às toxinas transportadas pelo ar, de acordo com a recomendação do NWS.

 

Fonte//LiveCiense

terça-feira, 31 de julho de 2018

A Eco-ilha, ilha-lixão, ou eco-barco


A Eco-ilha, ilha-lixão, ou eco-barco – outros nomes utilizados à Joysxee – é sem dúvida uma excelente ferramenta ambiental, além de ser um paraíso particular, onde muitos gostariam de viver. Sowa afirma que os seguintes problemas podem ser resolvidos com ilhas como a dele: O grande problema do lixo mundial, pois uma boa parte do lixo […]

via WOW! — Maryworks

Bitcoin pode valorizar 500% se a ETF for aprovada

Um estudo de Tom Alford da TotalCrypto.io acredita que haverá uma valorização de 500% no preço do Bitcoin se a SEC aprovar a tão esperada ETF. No momento diversas propostas de ETFs estão sob análise da SEC, mas a ETF que aparentemente tem mais probabilidade de ser aprovada é a proposta apresentada pela CBOE Global Markets.

 

A diferença entre a ETF dos irmãos Winklevoss rejeitada recentemente e a que está em revisão atualmente é que a ETF da CBOE Global Markets é focada em investidores institucionais e não em investidores de varejo. Por isso as chances desta ETF ser aprovada é maior do que as tentativas anteriores.

 

ETF

De acordo com o estudo da Totalcrypto.io, o principal motivo para a possível valorização do Bitcoin é que tal ETF abrirá as portas para muitos investidores institucionais. São milionários e bilionários que também estão interessados nas criptomoedas, um relatório feito pela empresa de consultoria Capgemini, uma pesquisa mostrou que 29% dos milionários entrevistados expressaram muito interesse nas criptomoedas.

 

Alford acredita que, pela semelhança do Bitcoin com o ouro, o mesmo aumento de preço que aconteceu no ouro pode acontecer após o lançamento do primeiro ETF Bitcoin. Mas com uma diferença, não levará oito anos para que o Bitcoin atinja sua máxima, assim como foi no ouro. Alford ao comparar mercados tão diferentes, chegou a conclusão que, enquanto o mercado de ursos médio para o ouro foi de três anos ou 1095 dias, o mercado médio de urso Bitcoin foi de apenas 128 dias.

 

Isso quer dizer que o mercado do Bitcoin se movimenta dez vezes mais rápido que o mercado de ouro, o que capacita o bitcoin a atingir recordes de preços em apenas 300 dias após o lançamento do ETF. Vale destacar também que o valor de mercado do Bitcoin é de US $ 128 bilhões, que é apenas uma pequena fração de valor de mercado do ouro, que atualmente está avaliado em US $ 7 trilhões.

Nesse mesmo estudo proposto por Alford, ele menciona que vários especialistas em criptomoedas e figuras de destaque na comunidade de criptomoedas, acreditam na possibilidade que haverá um aumento entre 233% e 566% no preço do Bitcoin até o final de 2018.

 

Fonte//Guia do bitcoin

segunda-feira, 30 de julho de 2018

Consumo excessivo de carne vermelha pode diminuir seu tempo de vida

Os resultados mostram que cada porção extra diária de carne vermelha processada aumenta a taxa de mortalidade em um quinto. Por outro lado, a substituição da carne vermelha por peixes, aves ou alimentos proteicos à base de plantas contribuiu para uma vida mais longa. Os dados de 121.342 homens e mulheres que participam em duas grandes investigações de saúde e estilo de vida foram analisados para produzir os resultados publicados na revista Archives of Internal Medicine. Os estudos monitoraram o progresso de seus participantes por mais de 20 anos e reuniram informações sobre suas respectivas dietas.

Os cientistas documentaram 23.926 mortes, incluindo 5.910 de doença cardíaca e 9.364 de câncer. Além disso, houve uma associação marcante nos dados entre o consumo de carne vermelha e morte prematura. Cada dose diária adicional de carne vermelha não processada aumentou a taxa de mortalidade em 13%, enquanto a carne processada a aumentou em 20%.


Ver Mais

Algas verde-néon mistura beleza e perigo

No que parece uma obra de arte, as algas verde-néon parecem girar no mar Báltico. A imagem foi capturada em 18 de julho pelo Operational Land Imager da NASA no Landsat 8.

 

O fenómeno ocorre todos os verões na costa da Escandinávia, mas parece particularmente intenso este ano, de acordo com o Earth Observatory da NASA .

 

O grande redemoinho no centro da imagem tem cerca de 20 quilômetros de diâmetro, e provavelmente foi criado por uma floração de cianobactéria chamada alga verde-azulada , informou o Observatório da Terra. As diatomáceas, um tipo de fitoplâncton rico em clorofila (o pigmento verde encontrado em plantas e algas), também podem estar contribuindo para o que parecem com traços de tinta verde decorando a superfície da água. Parece traçar as bordas de um vórtice criado por um turbilhão oceânico, que poderia ser onde os nutrientes estão subindo das águas mais profundas, de acordo com o Observatório da Terra.

 

 

Embora essas enormes espirais de algas sejam impressionantes, sua presença não é necessariamente um bom sinal para a saúde ambiental da região. O fitoplâncton e as cianobactérias consomem grandes quantidades de nutrientes e deixam a água desprovida de oxigênio. De fato, áreas altamente concentradas de algas criam o que é chamado de zonas mortas , porque peixes e outras criaturas marinhas são incapazes de sobreviver quando a água se torna muito pobre em oxigênio

Nos últimos anos, o Mar Báltico experimentou os menores níveis de oxigênio observados na área em dos ultimos 1.500 anos, de acordo com pesquisa publicada no início deste mês na revista Biogeosciences . Uma das principais causas do declínio do oxigênio é  a poluição causada pelos seres humanos .Fertilizantes e esgotos ricos em nutrientes tem sido despejados por varias décadas no oceano a partir dos países escandinavos, alimentando as florações de algas que esgotam o oxigênio. Embora os esforços para conter a poluição nos últimos anos tenham diminuído os níveis de despejos, essas medidas não resultaram em menos proliferações de algas ou perímetros menores na zona morta. Os cientistas suspeitam que isso ocorre porque a mudança climática está elevando a temperatura da água , e a água quente é menos eficiente para manter o oxigênio.

 

Perto dali, todo o Golfo da Finlândia também está experimentando níveis recordes de cianobactérias, níveis que não ocorreram pelo menos na última década, informou a Finnish Broadcasting Company, Yle . A atual onda de calor no hemisfério norte e os altos níveis de fósforo oriundos da poluição e de organismos mortos são os dois principais ingredientes que criam as condições perfeitas para a abundância de algas verde-azuladas na área. Os especialistas esperam que o florescimento continue pelo menos até o começo de Agosto.

 

Fonte//LiveSience

Google Earth revela imagem de objecto misterioso submerso na Grécia

O Google Earth tem uma visão privilegiada do nosso planeta e capta imagens insólitas ao olhar humano, como um objeto misterioso localizado na costa marítima da Grécia.

 

O objeto é similar a um círculo perfeito contendo um círculo menor no centro e sua cor pálida contrasta com as águas escuras ao redor, segundo o The Mirror.

Um usuário do Google Earth, Underbelly, calculou a dimensão do objeto usando a régua do próprio aplicativo e chegou à medida de quase 70 metros de comprimento.

 

"Esse objeto foi visto no mar Egeu ao largo da costa da Grécia e aqui estão as coordenadas 40° 27' 4,62" 22° 51' 39,78" para que vocês possam ver por si mesmos", escreveu Underbelly.

 

No entanto, outros usuários comentam que ele pode ser maior.

 

Segundo alguns usuários, o objeto pode ser uma cratera vulcânica, um farol ou mesmo antigas fundações gregas.

O objecto é provavelmente uma formação natural, mas alguns utilizadores não demoraram a apresentar hipóteses mais bizarras. “A forma do objecto permite imaginar que se trata de um disco voador submerso, escondido na profundidade do oceano”, diz Nigel Watson, editor do UFO Investigations Manual.

 

Fonte//SputnikNews

domingo, 29 de julho de 2018

Apenas 13% dos mares do mundo estão intocados pelos seres humanos

Os oceanos cobrem aproximadamente 70% da superfície da Terra, e parece que quase nada dessa extensão marinha está fora dos limites para humanos aventureiros e carentes de recursos.

Apenas 13,2 por cento dos mares do mundo  ou cerca de 20,8 milhões de quilômetros quadrados  permanece verdadeiramente selvagem, sugere um novo estudo. (Para comparação, a Ásia cobre uma área de 44,5 milhões de quilômetros quadrados).

"Quase toda essa zona está localizada no Ártico, na Antártica ou ao redor de nações remotas da Ilha do Pacífico", disse Kendall Jones, coautor do estudo, doutorado na Universidade de Queensland, na Austrália, e especialista em planeamento conservacionista da Wildlife Conservation Society.

E nas regiões costeiras, onde a atividade humana é a mais intensa, quase não há mais nenhuma área selvagem", acrescentou Jones. "E também descobrimos que quase toda a natureza selvagem está desprotegida, deixando-a vulnerável a qualquer momento, já que melhorias na tecnologia de pesca e navegação nos permitem penetrar mais fundo no oceano e pescar mais fundo".

Talvez tão perturbador, disse Jones, é que grande parte da natureza está desprotegida: apenas 4,9% dessa área marinha existe em áreas marinhas protegidas, onde as leis restringem as atividades humanas, descobriram os autores do estudo.

Encontrando áreas livres da atividade humana


Para identificar a natureza selvagem, que os autores do estudo definiram como áreas "livres de intensa atividade humana", Jones disse, eles compilaram dados sobre os níveis de várias atividades humanas nos mares. Em seguida, eles identificaram as áreas que mostram a menor dessas atividades.

Especificamente, eles atribuíram a cada quilômetro quadrado de oceano um valor pelo quanto foi afetado por cada um dos 15 fatores causados ​​pelo homem, como pesca, transporte comercial e escoamento de nutrientes e pesticidas, e quatro fatores relacionados à mudança climática , incluindo acidificação dos oceanos e aumento do nível do mar.

Para se qualificar como área livre de atividade humana, essa área teve que passar por dois testes: teve que marcar dentro dos 10 por cento mais baixos da faixa de valores de impacto para todos os 15 fatores humanos, e teve que marcar dentro dos 10 por cento mais baixos de impacto cumulativo. que incluiu todos os 15 fatores mais os fatores relacionados à mudança climática. (Os pesquisadores não incluíram a mudança climática no primeiro teste porque, se tivessem, nenhum dos oceanos teria se qualificado , disse Jones.)

Eles então compararam as áreas selvagens com mapas de áreas marinhas protegidas para determinar quais das áreas selvagens estavam protegidas.

Muito pouco dos oceanos continua intocado pelos seres humanos


A maioria dos países tem "algumas manchas deixadas" no deserto, disse Jones, mas não grandes. Nos Estados Unidos, por exemplo, eles encontraram algumas áreas marinhas selvagens nas águas da costa norte do Alasca, disse Jones.

No entanto, mais da metade - 66% - da área marinha existe no alto mar, que são águas sobre as quais nenhum país tem jurisdição, disse Jones.

 Alguns antecedentes


Todos os países controlam os recursos naturais nas águas a uma certa distância - 200 milhas náuticas - de suas costas, disse Jones. Os mares estão tão longe da terra que nenhum país os controla. Por causa do afastamento do mar alto, os pesquisadores esperavam encontrar altos níveis de vida selvagem lá, mas encontraram menos vida selvagem do que esperavam, disse Jones

"Nossos resultados mostram que nao  há quase nenhum lugar no oceano  em que as pessoas não estão interessadas em usar para algum propósito", acrescentou Jones.

Os pesquisadores também descobriram que, como pesquisas anteriores haviam indicado, as áreas selvagens tinham uma biodiversidade muito maior do que as áreas não selvagens. As áreas selvagens possuíam uma variedade maior de espécies, incluindo espécies raras, do que áreas não selvagens, bem como combinações únicas de espécies, escreveram os autores em seu estudo. As misturas de espécies encontradas nessas áreas são únicas porque incluem os principais predadores ao lado de outras espécies, observou Jones. "Em áreas não selvagens, muitas vezes os principais predadores se foram", disse Jones.

Além de preservar a biodiversidade, as áreas selvagens são como máquinas do tempo que revelam a maneira como os oceanos eram antes que as atividades humanas começassem a degradá-las.

Protegendo essas areas


Então o que o futuro reserva? Isso depende do nosso curso de ação. "Proteger [áreas selvagens marinhas] é crucial se quisermos proteger toda a biodiversidade marinha no futuro", disse Jones.

Para isso, os autores acreditam que, primeiro, os países deveriam identificar as áreas selvagens dentro de sua jurisdição que estão em maior risco de serem perdidas e designá-las como áreas marinhas protegidas, disse Jones.

A conservação em alto mar é mais difícil, já que, por definição, nenhum país tem jurisdição, acrescentou.

Ainda assim, as Nações Unidas estão debatendo uma medida para a conservação em alto mar , que permitiria a designação de áreas protegidas em alto mar, disse Jones, acrescentando que as organizações multinacionais de gestão pesqueira (ORGP) - "organizações internacionais formadas por países com interesses numa área ", como a Comissão Europeia define-los - também poderia proteger a vida selvagem em alto mar, concordando em deixar certas áreas com proteçao", disse Jones.

Finalmente, a pesca em alto mar só é lucrativa por causa dos subsídios do governo que possibilitam viajar para áreas tão remotas, disse Jones. Esses subsídios são mais altos no Japão e na Espanha, seguidos pela China, Coreia do Sul e Estados Unidos, de acordo com um estudo recente . "A retirada desses subsídios para essas nações poderia ser outra maneira de desencorajar a o desgaste  dessas últimas áreas selvagens", disse Jones.

Em geral, escreveram os autores, os esforços de conservação em terra e no mar negligenciaram a proteção das áreas selvagens em favor da tentativa de salvar espécies ameaçadas individuais.

"Se você usar uma analogia de saúde, o sistema atual é como um governo gastando todo o seu orçamento de saúde em cirurgias cardíacas de emergência, que é o fim das extinções de espécies, sem gastar dinheiro com a prevenção de doenças cardíacas. o primeiro lugar ", disse Jones. Jones e seus co-autores acreditam que as políticas de conservação não devem apenas tentar salvar as espécies ameaçadas, mas também proteger as espécies e os ecossistemas de se tornarem ameaçados.

"O que estamos defendendo é uma abordagem dupla, onde em uma ponta, você está impedindo espécies e ecossistemas de serem extintos, e na outra ponta, você está salvando os últimos lugares intactos que estão sob baixo impacto ", disse Jones.

Fonte//LiveSience