segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

Podemos estar a retroceder climaticamente 50 milhões de anos


Um estudo publicado na segunda-feira (10 de dezembro de 2018) no Proceedings of National Academy of Sciences,  mostra que os seres humanos estão revertendo uma tendência de arrefecimento do planeta a longo. Falamos de pelo menos 50 milhões de anos revertidos em apenas dois séculos.
Até 2030, o clima da Terra deve assemelhar-se ao do Plioceno médio, que remonta a mais de 3 milhões de anos no tempo geológico. Sem haver reduções nas emissões de gases de efeito estufa, o clima em 2150 pode compara-se ao Eoceno quente e quase sem gelo, uma época que caracterizou o mundo 50 milhões de anos atrás.

Photo The seaarch titans

Veja Tambem Cientistas preveem escassez de agua potável a uma escala global



Todas as espécies vivas da Terra, tiveram um ancestral que sobreviveu ao Eoceno e ao Plioceno. A questão é se os homens, a flora e a fauna conseguem adaptar-se a essas rápidas mudanças. As mudanças que se vivem agora parecem ser as mais rápidas que aconteceram no planeta.
Durante o Eoceno, os continentes estavam mais próximos e as temperaturas globais ficaram em média 13 graus Celsius mais quentes do que são hoje. A extinção dos dinossauros tinha acontecido recentemente e os primeiros mamíferos, como baleias e cavalos ancestrais, estavam se espalhando pelo globo. No Ártico apareceram as florestas pantanosas como as encontradas hoje no sul dos EUA
No Plioceno, as Américas do Norte e do Sul uniram-se. O clima era árido, as pontes terrestres permitiam que os animais se espalhassem pelos continentes e os Himalaias se formassem. As temperaturas estavam entre 3,2 e 6,5 graus Fahrenheit (1,8 a 3,6 graus Celsius) mais quentes do que são hoje.







Para o estudo, Burke e Williams e restante equipa da Universidade de Bristol, Universidade de Columbia, Universidade de Leeds, Instituto Goddard de Estudos Espaciais da NASA e do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica, examinaram as semelhanças entre projeções climáticas futuras pelo Quinto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas e vários períodos da história geológica onde incluíam o início do Eoceno, o meio do Plioceno, o Último Interglacial (129 a 116 mil anos atrás), o Holoceno médio (há 6.000 anos), a era pré-industrial (antes de 1850) e o início do século XX.

Veja Tambem Sir David Attenborough prevê o 'colapso da civilização'



Usaram o Representative Concentration Pathway 8.5 (RCP8.5), que representa um cenário climático futuro no qual não calcularam as emissões de gases de efeito estufa, e o RCP4.5, um cenário em que reduzimos moderadamente as emissões de gases de efeito estufa e simulações climáticas usando três modelos diferentes mas bem estabelecidos: o Modelo Acoplado do Centro Hadley versão 3, o Instituto Goddard de Estudos Espaciais Modelo E2-R e o Modelo do Sistema Clima Comunitário.
Embora não sem falhas, cada um desses modelos representa os melhores dados disponíveis e técnicas de última geração.

Em ambos os cenários e em cada modelo, comparado com eras anteriores, o clima da Terra mais se assemelhava ao Plioceno médio até 2030 (sob RCP8.5) ou 2040 (sob RCP4.5). No cenário de paragem na emissões de gases de efeito estufa de RCP4.5, o clima então estabiliza em condições semelhantes às do Plioceno, mas com as emissões mais altas de gases de efeito estufa do RCP8.5, o clima continua a aquecer até começar se assemelhar ao Eoceno em 2100, alcançar condições similares ao Eoceno em 2150.

Photo Conspiraçaoi Global


Os modelos mostraram esses climas geológicos emergindo primeiro do centro dos continentes e expandindo-se para o exterior. As temperaturas aumentam, a precipitação aumenta, as calotas polares derretem e os climas tornam-se temperados perto dos polos.
 O estudo também mostrou que, sob o RCP8.5, novos tipos de clima aparecem em quase 9% do planeta. Estas são condições que não têm antecedentes geológicos ou históricos conhecidos e concentram-se no leste e sudeste da Ásia, no norte da Austrália e nas costas da América.


Veja Tambem O aquecimento global leva cada vez mais a situações climáticas extremas


A Terra está caminhando para o desconhecido na vida de nossos filhos e netos. Por outro lado, a vida há muito provou ser resistente. Estamos a reduzir o dos combustíveis fósseis e procurando fontes de energia mais sustentáveis ​​e livres de dióxido de carbono. Mas um longo caminho ainda há a percorrer concluiu.




Fonte//ScienceDaily





Sem comentários:

Publicar um comentário