quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Fauna e flora do Artico em perigo


Um novo "boletim" do Programa Ártico da Administração Oceanográfica e Atmosférica Nacional (NOAA) pinta um quadro negro para o Ártico. De acordo com o Boletim Ártico de 2018, as temperaturas do ar na superfície do Ártico estão aquecendo duas vezes mais rápido que no resto do globo, enquanto as populações de renas selvagens e de caribus reduziram 50% nos últimos 20 anos.

 
Photo Fau.edu

Veja Tambem Projeto The Ocean Cleanup enfrenta um problema



Novos registros alarmantes são verificados no Ártico regularmente. As temperaturas do ar de 2014 a 2018 no Ártico foram as mais quentes, desde 1900, de acordo com o relatório. Os últimos 12 anos mostraram um recuo enorme no gelo do Ártico. E a camada de gelo da Groenlândia está derretendo mais rápido do que em pelo menos 350 anos.
O relatório anual é o 13º emitido pelo Programa Ártico da NOAA. Uma das mudanças mais dramáticas no atual Ártico, segundo o relatório, é a perda do gelo marinho da região. O máximo de gelo marinho no inverno de 2018, medido em março, foi o segundo mais baixo em 39 anos de registos, ficando atrás de 2017. Em 1985, os autores do relatório escreveram 16% do gelo mantinha-se de um inverno para. Hoje, é de apenas 1%. O gelo novo, mais fino, que compõe 99% do bloco de gelo, é mais propenso a derreter e fluir.







O gelo do mar ligado à costa também está reduzindo, estendendo-se apenas pela metade da costa na atualidade em comparação com a década de 1970.
O aquecimento das temperaturas, a perda de gelo marinho e o declínio a longo prazo da camada de neve em terra causaram o caos para a vida selvagem do Ártico. As renas selvagens e os caribus, estão em declínio desde os anos 90. Onde havia cerca 4,7 milhões de animais, existem agora 2,1 milhões.
O clima é responsável por grande parte do declínio. Verões mais longos e mais quentes significam mais parasitas e estresse de calor para os animais de pasto adaptados ao inverno.
Enquanto isso, a proliferação de algas tóxicas causada pelo aquecimento das águas representa uma nova ameaça à vida marinha no Ártico. Toxinas dessas algas foram encontradas em animais doentes ou mortos, desde aves marinhas a focas e baleias.


Veja Tambem Dados de satélite segredos sob a Antártida


  • O contínuo aquecimento da atmosfera do Ártico e do oceano está causando uma ampla mudança no sistema ambiental de formas previstas e também inesperadas. Novas e rápidas ameaças emergentes estão aparecendo e aumentando o nível de incerteza na amplitude das mudanças ambientais que estão por vir ", concluíram os autores do relatório.




Fonte//  LiveScience






Sem comentários:

Publicar um comentário