terça-feira, 18 de dezembro de 2018

Cientistas sugerem enfraquecer a radiação solar para reduzir o aquecimento global


Cientistas da Universidade de Harvard e da Universidade de Yale (EUA) propuseram uma maneira engenhosa, mas ainda não comprovada, de combater s mudança climáticas.
Pulverizar a atmosfera de substâncias químicas que “enfraqueçam” a radiação solar.
Teoricamente, a técnica, conhecida como injeção de aerossol estratosférica, reduziria o aquecimento global pela metade.


Photo CNN

Veja Tambem O derreter dos glaciares provocam tsunamis assustadores


Tal método necessitaria da pulverização de grandes quantidades de partículas de sulfato na estratosfera inferior da Terra ate 20 mil metros de altitude. Tal seria efetuado co recurso a aeronaves que poderiam atingir essas altitudes, balões ou até misseis.
Apesar de a tecnologia não estar desenvolvida, os pesquisadores dizem que criar um novo tipo de aeronave tanque para esse propósito é perfeitamente admissível, estimando que o custo total de um sistema para esse efeito nos próximos 15 anos andaria á volta de US$ 3,5 biliões, com custos operacionais adicionais de US$ 2,25 biliões por ano.




Os cientistas explicam que o objetivo não é fazer julgamentos económicos do sistema, mas apenas mostrar que é um programa hipotético, com início daqui a 15 anos, que embora altamente incerto, seria de fato tecnicamente possível do ponto de vista da engenharia.

 Reconhecem também, a existência de dificuldades e riscos potenciais como, a cooperação entre todos países em ambos os hemisférios e as técnicas de injeção de aerossol estratosféricas que poderiam prejudicar o rendimento de culturas, causar enormes secas ou causar condições meteorológicas extremas.


Veja Tambem Se não forem tomadas medidas urgentes a nossa sobrevivência poderá estar ameaçada


  • ponto de vista da economia climática, a gestão da radiação solar ainda é uma solução muito pior do que as emissões de gases de efeito estufa, mais caras e muito mais arriscadas a longo prazo”, disse Philippe Thalmann, da Escola Politécnica Federal de Lausana (Suíça).



Fonte//CNN



Sem comentários:

Publicar um comentário