segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

Cientistas preveem escassez de agua potável a uma escala global


Investigadores da Universidade de Nova Gales do Sul descobriram que nossas reservas de água estão diminuindo ao mesmo tempo em que mudanças climáticas estão ocasionando mais chuvas intensas, alertando para um futuro mais seco principalmente nas zonas mais secas.


Photo Polardestruidor

Veja Tambem "Super areia" pode transformar agua contaminada em água potável



Liderados por Ashish Sharma da Universidade de Nova Gales do Sul, Austrália,os investigadores utilizaram dados de 43.000 estações pluviométricas e de 5.300 locais de monitorização de rios de 160 países, ao invés de modelos de simulações de clima futuro que podem ser incorretos e são questionáveis.

  • Sharma destacou que "esperávamos o crescimento da precipitação, já que o ar mais quente armazena mais humidade", acrescentando que "o que não esperávamos é que, mesmo com todas as chuvas em excesso por todo o mundo, os grandes rios estejam a secar"






  • O cientista apontando que "a causa é a secagem dos solos nas nossas bacias, que eram húmidas antes de tempestades, permitindo, assim, que o excesso da água das chuvas escorresse para os rios, mas agora elas estão mais secas e absorvem mais água, então chega menos água aos rios".
  • "Menos água nos nossos rios significa menos água para as cidades. E também, com os solos mais secos significa que os agricultores precisam de mais água para cultivar. Isso é um princípio que acontece em todo o mundo, sendo mais graves em lugares já secos. É extremamente preocupante".

 Veja Tambem Como a NASA liberta 1,7 milhões de litros de água num minuto



Note-se que a secagem dos fluxos de rios pode causar a escassez de água. Por sua vez, um excesso de precipitação provoca inundações e interfere no reabastecimento de água doce.
  • "A água está a acabar, onde podemos armazená-la para uso posterior. Ao mesmo tempo, chuvas em excesso sobrecarregam as infraestrutura de drenagem em vilas e cidades, levando a mais inundações urbanas", concluiu Ashish Sharma




Sem comentários:

Publicar um comentário