sábado, 6 de outubro de 2018

Prémio Nobel de Química concedido três a cientistas.

O Prémio Nobel de Química deste ano foi concedido a três cientistas pelo seu trabalho em aproveitar o poder da evolução para uma variedade de aplicações que beneficiam a humanidade. Essas novas aplicações ajudaram a criar biocombustíveis, fármacos e anticorpos que combatem doenças.



Frances H. Arnold, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, recebeu metade do prémio, enquanto George P. Smith, da Universidade do Missouri, e Sir Gregory P. Winter, do Laboratório de Biologia Molecular do MRC, no Reino Unido, dividiram a outra metade

Em 1993, Arnold foi o primeiro criar a evolução dirigida de enzimas, proteínas que causam ou impulsionam reações. Este processo funciona primeiro introduzindo mutações aleatórias ou alterações nos genes de uma enzima. Os genes são então inseridos em bactérias, que agem como agentes multiplicadores e produzem enzimas alteradas aleatoriamente. Os cientistas então testam essas enzimas geradas e identificam quais são as melhores para o seu trabalho, provocando a reação que estão tentando alcançar. Esses então são alterados e alimentados novamente pelo ciclo.

Veja Tambem Mais da metade dos empregos de hoje serão robotizados até 2025


Após apenas alguns ciclos dessa evolução num tubo de ensaio, uma enzima pode se tornar milhares vezes mais eficaz, de acordo com a Real Academia Sueca de Ciências . As enzimas de Arnold permitem um fabrico mais ecológico de fármacos e combustíveis renováveis.

Arnold é apenas a quinta mulher a conseguir um prêmio Nobel de química.

Quanto a Smith, em 1985, ele desenvolveu o método de "exibição de fagos" que acabou se tornando uma ferramenta poderosa para direcionar a evolução dos anticorpos. Este processo funciona através da introdução de fragmentos de um gene desconhecido em um bacteriófago, ou um vírus que infecta bactérias, que então usa as instruções do gene para construir um bloco de criaçao de proteínas chamado peptídeo e o exibe em sua superfície. Quando um anticorpo, ou proteína em forma de Y, é adicionado à mistura, ele se liga ao peptídeo.

Mais tarde usou esse método de direcionar a evolução dos anticorpos para criar drogas farmacêuticas. Ele criou bacteriófagos com bilhiões de diferentes tipos de anticorpos. Ele então encontrou aqueles que ligavam o melhor a proteínas específicas e os alteravam aleatoriamente. Ele repetiu esse processo de novo e de novo, de tal forma que a ligação do anticorpo aumentou em força a cada ciclo.



A primeira droga deste tipo criada a partir deste método, adalimumab, foi aprovada em 2002 e agora é usada para tratar artrite reumatóide, psoríase e doenças inflamatórias intestinais.

Este método tem sido usado para criar anticorpos que podem neutralizar a toxina que causa o antraz. Também foi mostrado para retardar uma doença auto-imune chamada lupis, e até mesmo curar o câncer metastático. Muitos outros anticorpos criados dessa maneira estão atualmente em testes clínicos, como os desenvolvidos para combater a doença de Alzheimer.





Fonte// LivesCiense

Sem comentários:

Publicar um comentário