segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Porque acreditamos em deuses? Nasce connosco ou aprendemos a acreditar?

As crenças religiosas não estão ligadas à intuição ou pensamento racional, de acordo com uma nova pesquisa feita pelas universidades de Coventry e Oxford.

Estudos anteriores sugeriram que as pessoas que possuem fortes crenças religiosas são mais intuitivas e menos analíticas, mas quando pensam mais analiticamente, as suas crenças religiosas enfraquecem.



Mas novas pesquisas, de académicos do Centro de Avanços na Ciência do Comportamento da Universidade de Coventry e de neuro-cientistas e filósofos da Universidade de Oxford, sugerem que esse não é assim e que as pessoas não nascem ``fiéis´´.



O estudo, que incluiu testes a peregrinos participando do famoso Caminho de Santiago e uma experiencia de estimulação cerebral, não encontrou nenhum elo entre o pensamento intuitivo e  analítico, ou inibição cognitiva (uma capacidade de suprimir pensamentos e ações indesejáveis) e crenças sobrenaturais.

Em vez disso, os académicos concluíram  que outros fatores, como educação e cultura, são mais responsáveis pelas crenças religiosas.

Veja Tambem “Carta de Deus”, de Einstein, deve ser vendida por $ 1,5 milhões na Christie’s.


O estudo, publicado na Scientific Reports , foi o primeiro a desafiar uma tendência crescente entre os psicólogos cognitivos nos últimos 20 anos, que tentou mostrar que acreditar no sobrenatural é algo que nos chega naturalmente ou intuitivamente, não nascemos com isso.

A equipe começou realizando uma investigação numa das maiores rotas de peregrinação do mundo, o Caminho de Santiago de Compostela, no norte da Espanha.

Eles inquiriram os peregrinos sobre a força de suas crenças e o tempo gasto na peregrinação e avaliaram seus níveis de pensamento intuitivo com uma tarefa de probabilidade, em que os participantes tinham que decidir entre uma escolha lógica e o pressentimento


Foto mitologiaonline

Os resultados indicaram que não há nenhuma ligação entre a crença sobrenatural e a intuição.

Num segundo estudo, onde usaram quebra-cabeças matemáticos para aumentar a intuição, também não encontraram nenhum elo entre os níveis de pensamento intuitivo e crença sobrenatural.


Veja Tambem Jesus Cristo usou óleo de canábis para fazer milagres


Na última parte de sua pesquisa, usaram a estimulação cerebral para aumentar os níveis de inibição cognitiva, que é regula o pensamento analítico.

Para isso foram colocados 2 elétrodos no couro cabeludo do participante onde, para ativar o frontal inferior direito, uma parte do cérebro que controla o controle inibitório.

Um estudo prévio de imagens cerebrais mostrou que os ateus usavam mais essa área do cérebro quando queriam suprimir ideias sobrenaturais.

Os resultados mostraram que, embora esta estimulação cerebral tenha aumentado os níveis de inibição cognitiva, não alterou os níveis de crença sobrenatural, sugerindo que não existe uma ligação direta entre a inibição cognitiva e a crença sobrenatural.

Chegaram á conclusão que  é "prematuro" explicar a crença nos deuses como intuitiva ou natural



Fonte//ScienceDaily

Sem comentários:

Publicar um comentário