domingo, 7 de outubro de 2018

O Pentágono projecta fazer um exército de insetos disseminadores de vírus.

Um novo programa do Pentágono quer criar insetos que espalhem vírus em plantações de alimentos para garantir a segurança alimentar, mas cientistas dizem que o programa "Aliados de insetos" é uma arma biológica.



Uma força de insetos portadores de vírus geneticamente modificados pode salvar as fazendas americanas, ou elas serão uma arma biológica incontrolável?

Está um debate aceso sobre um novo projeto, muito controverso, do Pentágono chamado "Insect Allies". Financiado pela Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA), o projeto envolve o uso de técnicas de criação de genes como CRISPR, para infetar insetos com vírus modificados que poderiam ajudar a tornar as culturas da América mais resistentes. Se um milharal fosse atingido por uma seca inesperada ou subitamente exposto a uma praga, por exemplo, Enxames de Insetos poderiam espalhar um exército de pulgões carregando um vírus geneticamente modificado para diminuir a taxa de crescimento da planta de milho.

Veja Tambem Trump avisa Irão: “NUNCA, NUNCA MAIS voltem a ameaçar os Estados Unidos”


Segundo o site da DARPA , essas "terapias direcionadas" poderiam entrar em vigor numa única estação de crescimento, protegendo o sistema americano de ameaças de segurança alimentar como doenças, inundações, geadas e até mesmo "ameaças introduzidas pelo homem.

Os membros da comunidade científica são céticos. Numa carta publicada no passado dia 5 de Outubro na revista Science , uma equipe de cinco cientistas expressou a sua preocupação devido ao projeto poder ser facilmente usado  como uma arma biológica. Ou ser assim entendido pela comunidade internacional.

  • "Em nossa opinião, as justificações não são o suficiente claras. Por exemplo, por que usam insetos e nao sistemas de pulverização", Silja Voeneky, co-autora da carta e professora de direito internacional na Universidade de Freiburg, na Alemanha. disse ao Washington Post . "Usar insetos como vetor para disseminar doenças é uma arma biológica clássica."

  • Blake Bextine, gerente de programas da Insect Allies, está menos preocupado. "Sempre que se desenvolve uma tecnologia nova e revolucionária, existe esse potencial para a capacidade ofensiva e defensiva", disse Bextine ao The Washington Post. "Mas não é isso  que estamos fazendo. Queremos ter certeza de garantir a segurança alimentar, porque para nós a segurança alimentar é  a segurança nacional”.


Veja tambem Novo programa ‘Star Wars’ SpaceX está a estudar implantar armas em orbita dos EUA


A Insect Allies ainda está nos estágios iniciais de desenvolvimento, e pelo menos quatro faculdades americanas (Boyce Thompson Institute, Penn State University, Ohio State University e University of Texas, em Austin) receberam financiamento para realizar pesquisas. Bextine disse ao The Washington Post que o projeto recentemente alcançou seu primeiro marco,  testando se um pulgão poderia infetar um caule de milho com um vírus”



Fonte//LivesCiense

Sem comentários:

Publicar um comentário