quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Monte Etna está a escorregar para o mar e pode provocar um colapso catastrófico

A gravidade está puxando o Monte Etna para o mar, levantando a possibilidade de que o flanco do vulcão ativo possa sofrer um colapso catastrófico.




Não há indicação de que tal colapso seja iminente, mas novas pesquisas revelam que o flanco sudeste do vulcão italiano está se movendo tanto acima quanto abaixo do nível do mar. Esses movimentos significam que o risco de um colapso da encosta é maior do que se acreditava anteriormente, apontaram os na revista Science Advances .

  • "Precisamos entender melhor como este deslizar funciona e que as circunstancias são necessárias para um colapso", disse Morelia Urlaub, coautora do estudo, em geodinâmica marinha no GEOMAR Helmholtz Center for Ocean Research, em Kiel, Alemanha.

O Monte Etna é o vulcão mais ativo da Europa. Essa montanha passou por períodos ativos desde há cerca de 6000 AC e está atualmente num ciclo eruptivo que que começou em Setembro de 2013, de acordo com o Programa Global de Vulcanismo da Smithsonian Institution .

Veja Tambem Após 14 anos de inatividade Fonte termal de Yellowstone entra em erupção


Os investigadores que usam dados de satélite e medições de GPS, também observaram que o flanco sudeste do Monte Etna está a deslizar lentamente para o mar há pelo menos 30 anos. Em Março, cientistas da Universidade Aberta, no Reino Unido, concluíram que desliza em média cerca de meia polegada (14 milímetros) por ano .

O que falta descobrir, é se esse escorregar resulta do movimento do magma por baixo e dentro do vulcão ou se resulta principalmente da gravidade. O Monte Etna está constantemente expelindo material nas suas encostas, disse ela, e a gravidade puxa esse novo material para baixo.

O Monte Etna também tem a sua base na agua, disse Urlaub., as suas encostas continuam por baixo da costa da Sicília e no Mediterrâneo. Até agora, porém, ninguém havia medido como o flanco se movia abaixo do nível do mar.


Usando uma rede de sensores no fundo do mar, Urlaub e sua equipe mediram o tempo que o som demorava a ir de um transdutor para outro sendo enviados sinais a cada 90 minutos entre Abril de 2016 e Julho de 2017. O tempo que o som demora revela a distância entre os transdutores.

Eles descobriram que, durante um período de oito dias em maio de 2017, uma falha no flanco submarino da montanha afastou-se  até 1,6 polegadas (4 centímetros). E não foi um terremoto. O movimento aconteceu sem uma rotura da falha ou ondas sísmicas, mas sim como um deslizamento gradual.

Veja Tambem Se não forem tomadas medidas urgentes a nossa sobrevivência poderá estar ameaçada


A área onde os investigadores mediram o deslizamento está longe das câmaras de magma no centro do Etna, disse Urlaub. Isso significa que o movimento não resultou do aumento do magma dentro das câmaras subterrâneas do vulcão mas é sim, a gravidade, que puxa todo o declive por cima e por baixo da água, o que é uma má notícia.

  • "Sabemos que outros vulcões entraram em colapso catastrófico e causaram deslizamentos de terra realmente grandes e rápidos ", ela disse, "e se esses deslizamentos de terra forem no mar, podem causar um tsunami ."

A hipótese de isso acontecer no Etna ainda não pode ser quantificada.As observações científicas na montanha datam de apenas algumas décadas, e toda a história do Etna tem 500.000 anos. "Há um risco", disse Urlaub. "Nós apenas temos que monitorizar  o flanco do Etna e controlar o deslizamento ."

Fonte//LivesCiense

Sem comentários:

Publicar um comentário