sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Avanço no caminho para limpar o ar da China

Há mais de 15 anos, o governo chinês investiu biliões de dólares para reduzir a poluição atmosférica, concentrando-se principalmente na redução das emissões de dióxido de enxofre das usinas que usavam o carvão como combustível

Foto diariotrv

Esses esforços conseguiram reduzir as emissões de dióxido de enxofre, mas os níveis de poluição ainda são muito altos, sobretudo no inverno e os especialistas estimam que mais de 1 milhão de pessoas morrem tos os anos na China devido à poluição do ar.

Uma nova investigação da Universidade de Harvard pode explicar por quê. A chave para reduzir a poluição atmosférica no inverno passa por reduzir as emissões de formaldeído em vez do dióxido de enxofre.

Veja Tambem A quantidade de plásticos nos oceanos duplicará até 2050



A investigação foi publicada na Geophysical Research Letters .

  • "Concluímos que as políticas destinadas a reduzir as emissões de formaldeído podem ser muito mais eficazes na redução da poluição do ar do inverno do que as políticas destinadas a reduzir apenas o dióxido de enxofre", disse Jonathan M. Moch, estudante da Harvard John A. Paulson School of Engineering and Ciências Aplicadas (SEAS) e primeiro autor do artigo. " A nossa pesquisa aponta para formas que podem limpar mais rapidamente a poluição do ar. Isso poderia ajudar a salvar milhões de vidas e canalizando biliões de dólares de investimentos com reduções da poluição do ar."

Em Pequim, as medições do número de dias com poluição do ar especialmente alta, conhecida como PM2.5, mostraram um grande aumento nos compostos de enxofre, que têm sido tipicamente interpretados como sulfato. Com base nessas medições, o governo chinês concentrou-se na redução do dióxido de enxofre (SO 2 ), a fonte do sulfato, como um meio de reduzir a poluição do ar. Como resultado desses esforços, o SO 2 no leste da China diminuiu significativamente desde 2005. O problema é que a a existência de partículas no ar não seguiu o mesmo caminho.

Veja Tambem Os 15 maiores navios do mundo poluem mais do que todos os automóveis do planeta


Descobriram que os instrumentos usados ​​para analisar partículas podem facilmente interpretar mal os compostos de enxofre como sulfato quando eles são, de fato, uma molécula chamada hidroximetano sulfonato (HMS). HMS é formado pela reação de SO 2 com formaldeído em nuvens ou em gotículas.


Foto diariotrv

Numa simulação de computador, os cientistas demonstraram que as moléculas de HMS podem constituir uma grande parte dos compostos de enxofre observados em PM2.5 na névoa de inverno, o que ajudaria a explicar a persistência de situações extremas de poluição do ar apesar da redução de SO 2 .

  • "Ao incluir essa química negligenciada nos modelos de qualidade do ar, podemos explicar por que o número de dias extremamente poluídos no inverno, em Pequim, não melhorou entre 2013 e janeiro de 2017, apesar do grande sucesso na redução do dióxido de enxofre", disse Moch. "A combinação enxofre-formaldeído também pode explicar porque as medidas pareciam reduzir repentinamente a poluição extrema no inverno passado. Durante aquele inverno, as reduções significativas nas emissões de SO 2 formaram concentrações abaixo dos níveis de formaldeído pela primeira vez e tornaram o SO 2 o fator limitante para HMS. Produção."



As principais fontes de emissão de formaldeído no leste da China são veículos e grandes instalações industriais, como refinarias químicas e de petróleo. Os pesquisadores recomendam que se mude a legislação  e que concentrem seus esforços na redução das emissões dessas fontes para reduzir a névoa extrema (smogg) na área de Beijing.

Em seguida, a equipe pretende medir e quantificar diretamente o HMS na névoa de Pequim usando sistemas de observação modificados

Veja Tambem Chegaram as estradas de plástico


Esta pesquisa foi co-autoria de J. William Munger, Pesquisador Sênior em Química Atmosférica, e Daniel J. Jacob, Professor Vasco McCoy de Química Atmosférica e Engenharia Ambiental na SEAS. Também foi co-autoria de Yuan Cheng, Jingkun Jiang, Meng Li, Xiaohui Qiao e Qiang Zhang.

O trabalho foi financiado pelo  Projeto Harvard-China do Harvard Global Institute, pela National Science Foundation Graduate Research Fellowship, e pela Robert and Patricia Switzer Foundation.



Fonte//ScienceDaily

Sem comentários:

Publicar um comentário