segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Descoberto altar Maia com 1500 anos

Um grupo de arqueólogos descobriu um altar de pedra esculpida com quase 1.500 anos na antiga cidade maia de La Corona, no interior do norte da Guatemala.

A descoberta, anunciada em 12 de Setembro no Museu Nacional de Arqueologia e Etnologia da Cidade da Guatemala, é o mais antigo monumento encontrado no sítio La Corona do período Maia , que durou de 250 a 900 dC.

 

"A descoberta deste altar permite-nos identificar um rei inteiramente novo de La Corona que aparentemente tinha estreitos laços políticos com a capital do reino Kaanul, Dzibanche, e com a cidade vizinha de El Peru-Waka",  segundo afirmações de Marcello Canuto, diretor de O Instituto de Pesquisa da América Central da Universidade de Tulane e co-diretor do Projeto Arqueológico Regional La Corona (PRALC).

 

Veja Tambem Arqueólogos descobrem ‘túmulos misteriosos’ da era de Cleópatra


O altar, esculpido numa grande laje de calcário, representa o rei anteriormente desconhecido - Chak Took Ich'aak ,carregando uma serpente de duas cabeças. Este animal não é uma coincidência, os governantes da dinastia Kaanul também eram conhecidos como os "reis da cobra", de acordo com a National Geographic .

Ao lado dessa escultura, há uma coluna de hieróglifos que mostra o final do período de meio katun no calendário maia de contagem longa , em que um katun é uma unidade de tempo, indicando uma data que corresponde a 12 de maio de 544.

 

Veja tambem Franceses ‘pescam’ bomba da 2ª Guerra Mundial em risco de explodir


"Durante vários séculos, os reis Kaanul dominaram grande parte das planícies maias", disse Tomas Barrientos, co-diretor do projeto e diretor do Centro de Pesquisa Arqueológica e Antropológica da Universidade do Vale da Guatemala. "Este altar contém informações sobre suas primeiras estratégias de expansão, demonstrando que a Corona desempenhou um papel importante no processo desde o início."

Canuto e Barrientos estudam La Corona desde 2008, dirigindo escavações, traduzindo hieróglifos e pesquisando a área com uma tecnologia que usa bilhões de feixes de luz para mapear a topografia do terreno, tendo feito também análises químicas e materiais.

 

Fonte// LivesCiense

Sem comentários:

Publicar um comentário