domingo, 30 de setembro de 2018

Civilização maia revelada sob a espessa vegetação da selva da Guatemala

Mais de 61 mil estruturas maias antigas , desde grandes pirâmides a casas individuais , que  estavam ocultas na densa cobertura florestal na Guatemala, foram descobertas, revelando pistas sobre as práticas agrícolas, infraestrutura, política e economia da cultura antiga.




A selva guatemalteca é muito fechada e difícil de explorar, então os investigadores usaram um método conhecido como "Maya Lidar" que usa a  deteção de luz e alcance para mapear o terreno . As imagens da sonda foram captadas durante levantamentos aéreos da planície maia , numa região com mais de 2.100 quilómetros quadrados

Veja Tambem Descoberto altar Maia com 1500 anos





A pesquisa aérea abrangeu 12 áreas separadas em Petén, na Guatemala, e incluiu assentamentos maias rurais e urbanos. Depois de analisar as imagens, que incluíam casas isoladas, grandes palácios, centros cerimoniais e pirâmides, os investigadores determinaram viviam nas terras baixas maias cerca de 11 milhões de pessoas durante o período clássico, entre 650 e 800 dC . Este número coincide com cálculos anteriores  com o anteriores.

Teria sido necessário um enorme trabalho agrícola para sustentar uma população tão grande, disseram os investigadores. Assim, não foi surpresa quando a pesquisa da empresa revelou que grande parte das áreas húmidas da região foram modificadas para permitir a agricultura.

No total, os levantamentos revelaram cerca de 362 quilómetros quadrados de terraços e outras terras agrícolas, além de outros 958 quilómetros quadrados de terras agrícolas.


Além disso, a análise revelou 40 quilómetros quadrados de redes rodoviárias dentro e entre cidades e lugarejos distantes, alguns dos quais fortemente fortificados

Veja Tambem Antigo lago oferece novas pistas do fim da civilização Maia


"Visto como um todo, os terraços e canais de irrigação, reservatórios, fortificações e caminhos revelam uma incrível modificação nos terrenos para os tornar habitáveis  e para agricultura numa escala inimaginável", disse Francisco Estrada-Belli, professor assistente de pesquisa de antropologia. na Universidade de Tulane e diretor do Projeto Arqueológico Holmul.



Fonte// LivesCiense

Sem comentários:

Publicar um comentário