segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Pó de macaco: A droga que faz as pessoas saltar dos prédios

A nova droga sintética que levou pessoas a saltar de prédios, morder outras pessoas e correr para dentro de casas de desconhecidos.

As autoridades dizem que é apenas uma questão de tempo até que alguém morra como resultado do uso do "pó de macaco", uma droga sintética que tem vindo a crescer em  popularidade nas West Midlands, na região central da Inglaterra.

 

O “pó de macaco” é uma droga da classe B que está em circulação há vários anos.

As autoridades britânicas estão preocupadas porque a droga  está se tornando muito popular , como uma epidemia.

A droga impede que os utilizadores sintam dor e faz com que tenham alucinações tornando-os altamente imprevisíveis.

O que a diferencia, no entanto, é que seus efeitos podem durar dias

A polícia foi chamada para atender casos em que as pessoas correram em direção a carros e pularam de prédios.

Até agora nap causou mortes mas é seja apenas uma questão de tempo.

 

Vendido por £ 2 a dose o “pó de macaco” é consumido por muita gente.

Um homem sem-abrigo de 31 anos, que se identificou como Ferreiro, disse que usa a droga há um ano, e  diz que essa é uma das drogas mais potentes que ele já experimentou, alegando,

"Eu odeio o fato de que eu gosto dela. Eu odeio toda vez que eu uso, mas eu ainda uso",

"Está em toda parte. Há muitas pessoas nisso."

Jeff Moore, superintendente da polícia de Staffordshire, disse que a policia atendeu a 950 casos relacionados à droga nos últimos três meses.

"Frequentemente, vemos a paranoia - exemplos de pessoas se jogando no trânsito, pulando de pontes e prédios altos, entrando nas casas das pessoas", diz ele.

 

"Do ponto de vista das drogas, essa é a pior que já vimos. O grande problema não apenas o  de usar a droga, mas o facto dessas pessoas colocar a segurança dos outros em risco."

 

Ele disse que foi difícil para os policiais lidarem com ela, uma vez que as pessoas sob o efeito da droga são muito imprevisíveis. Moore pediu uma abordagem mais ampla dos problemas sociais e de saúde pública que contribuem para o seu uso.

Não se trata apenas de um grupo de pessoas que estão desabrigadas e na cidade", acrescentou ele, dizendo que pessoas de diferentes origens e idades também a usavam.

 

Fonte//BBC

Sem comentários:

Publicar um comentário