sábado, 25 de agosto de 2018

O nível mais seguro de consumo de álcool é “Não beber nada”, diz estudo

Beber álcool com moderação é mais prejudicial do que se pensava anteriormente, de acordo com um novo estudo que conclui que não existe um nível "seguro" para o consumo de álcool .

 

O estudo abrangente, que analisou informações de milhões de pessoas em quase 200 países, descobriu que o álcool está ligado a quase 3 milhões de mortes em todo o mundo por ano, sendo uma em cada dez relacionadas ao uso de álcool são pessoas entre  15 e 49 anos.

 

Além disso, quaisquer efeitos benéficos que o álcool possa ter sobre a saúde não compensam  o risco de consumir álcool, tais como o câncer  e lesões como as resultantes de acidentes automobilísticos.

"A mensagem amplamente divulgada dos benefícios para a saúde do álcool tem que ser mudada", escreveram os pesquisadores no artigo quem publicaram on-line a 23 de Agosto na revista The Lancet .  "Os resultados indicam que o nível mais seguro de consumo é ZERO".

 

Os resultados do estudo contrastam com a maioria das diretrizes de saúde, que dizem que beber moderadamente, cerca de uma dose por dia para mulheres e duas para homens, é benéfico.

 

No entanto, é difícil estimar os riscos para uma pessoa que bebe com pouca frequência,como alguém que toma uma bebida a cada duas semanas, portanto, logo os resultado não se aplicaram a essa classe de consumidores. "Isso não significa que, se você beber em aniversários e no Natal, vai morrer", disse Keith Humphreys, professor de psiquiatria e ciências comportamentais da Universidade de Stanford, que não participou do estudo.

 

Em vez disso, os resultados aplicam-se mais às pessoas que tomam uma dose por dia, na maioria dos dias da semana, disse Humphreys. Ao contrário do que alguns estudos anteriores descobriram, "o tipo de pessoa que bebe toda semana, mas bebe pouco por dia, na verdade não é melhor do que alguém que não bebe", afirmou, Humphreys.

 

Nenhum nível de consumo é "seguro"


O estudo analisou informações de quase 700 estudos anteriores para estimar o consumo de álcool em todo o mundo, e examinou quase outros 600 estudos, incluindo um total de 28 milhões de pessoas para investigar os riscos à saúde associados ao álcool.

 

Os pesquisadores descobriram que, globalmente, cerca de 1 em cada 3 pessoas , 32,5 %, consomem álcool, o que equivale a 2,4 bilhões de pessoas em todo o mundo, incluindo 25 por cento das mulheres e 39 por cento dos homens.

 

Em todo o mundo, o consumo de álcool foi o sétimo fator de risco de morte prematura em 2016, sendo responsável por cerca de 2% das mortes nas mulheres e 7% das mortes nos homens. Para pessoas de 15 a 49 anos, o consumo de álcool foi o responsável de   4% das mortes em mulheres e 12% nos homens em 2016.

 

O estudo descobriu que beber moderadamente era, de fato, protetor contra doenças cardíacas isquêmicas . Mas esse benefício foi superado pelos outros riscos do consumo de álcool.

 

Especificamente, para pessoas que consomem uma bebida por dia , o risco de desenvolver um dos 23 problemas de saúde relacionados ao álcool aumenta em 0,5% ao longo de um ano, em comparação com alguém que não bebe.

 

Mas o risco aumenta rapidamente quanto mais as pessoas bebem. Para as pessoas que consomem duas bebidas por dia, o risco de desenvolver um dos 23 problemas de saúde relacionados ao álcool aumenta em 7% em um ano, e para aqueles que bebem cinco bebidas por dia, o risco aumenta em 37% em um ano.

Os pesquisadores disseram que, com base em seus resultados, as campanhas de saúde pública devem considerar a recomendação de abstinência de álcool.

 

Abstinência de álcool?


Humphreys disse também que o estudo agora concluído é "o mais sofisticado estudo global sobre o impacto do álcool na saúde humana efetuado ate agora".

 

Em termos de recomendação de abstinência de álcool, Humphreys disse que promover tal mensagem seria difícil, em parte devido ao grande número de pessoas que atualmente bebem álcool e à influência de indústrias poderosas no mercado de álcool. Não sendo impossível é no entanto uma batalha muito difícil

Ainda assim, além de considerar a abstinência, os pesquisadores pediram outras políticas que

Incentivem a redução do consumo de álcool da população, como aumentar os impostos sobre o álcool , controlar a disponibilidade de álcool e as horas de venda e regular a propaganda de álcool.

O estudo foi financiado pela Fundação Bill & Melinda Gates.

 

Fonte//LiveSience

Sem comentários:

Publicar um comentário