terça-feira, 14 de agosto de 2018

Há uma pequena galáxia estranha orbitando a Via Láctea

Há uma pequena galáxia estranha orbitando a Via Láctea e ninguém sabe como chegou lá

Uma galáxia no espaço próximo , chamada Segue 1, é bastante estranha.

É muito pequena e muito fraca, fica muito perto da Via Láctea, e ninguém sabe exatamente de onde veio.

Mas agora os astrônomos mediram com precisão seu movimento pela primeira vez, o que finalmente conseguiram algumas pistas.

 

Então, o que é, exatamente,  a Segue 1?


Bem, na última década, nossa tecnologia de telescópio cresceu o suficiente para identificar uma pequena nova classe de galáxias. Elas são muito compactos, ocupando o espaço entre um aglomerado globular e uma galáxia anã.

Elas são chamados de galáxias esferoidais anãs ultra-fracas e a Segue 1 foi a primeira a ser descoberta em 2006 com dados do Sloan Digital Sky Survey.

O artigo que descreveu foi publicado em 2007 .

Está cheio de estrelas envelhecidas ou muito antigas, que remontam ao Universo primitivo .

Tem baixo teor de metais, o que é consistente com um objeto muito antigo. Os metais não se propagaram no Universo até que uma ou duas gerações de estrelas serem supernovas, fabricando elementos pesados ​​na sua morte .

A Segue 1 também tem uma luminosidade, ou brilho, á volta de apenas 300 sóis o que é muito mais fraco do que um cluster globular típico, que foi o originalmente usado .

Na verdade, os astrônomos não estão totalmente certos se é um aglomerado globular. A diferença parece estar na história da formação dos dois objetos, embora a nova pesquisa possa ter respondido a essa pergunta sobre a Segue 1.

 

Além de descobrir se a Segue 1 é uma galáxia ou um aglomerado globular, a equipe de pesquisa queria saber de onde veio e exatamente como  acabou orbitando a Via Láctea a uma distância de apenas 23.000 parsecs. (75.000 anos-luz).

Eles usaram dados do Sloan Digital Sky Survey e da Large Binocular Camera  numa linha de base de 10 anos para calcular o movimento adequado da Segue 1. e descobriram que ela orbita a Via Láctea á 600 milhões de anos.

 

Isso é muito perto, mas também é muito longe para Segue 1 ter sido um aglomerado estelar nitidamente interrompido e à beira de ser aniquilado pela gravidade da Via Láctea.

 

Isso significa que é mais provável que caia na categoria "galáxia", o que confirma descobertas anteriores de que, mesmo que a galáxia tenha baixa metalicidade, ela tem uma disseminação significativa de ferro, algo não encontrado em aglomerados globulares.

 

Quanto a como chegou lá?


Bem, isso ainda não é uma certeza. Os pesquisadores descobriram dois cenários mais plausíveis.

Desses dois, o menos provável é que a Segue 1 fosse um satélite em torno de uma galáxia diferente. Esta galáxia colidiu com a Via Láctea á volta de 12 bilhões de anos , e deixou a Segue 1 livre da sua atração gravitacional.

Sabemos que isso é possível ,a Via Láctea certamente se fundiu com várias outras galáxias no passado , que os astrônomos podem verificar pelas ondulações que essas colisões deixaram para trás.

A órbita da Segue 1 não é consistente com nenhuma dessas colisões conhecidas, mas é totalmente possível que um astrônomo ainda não tenha descoberto.

 

A segunda opção que é a que a equipe de pesquisa acredita ser um cenário mais provável, com 75% de probabilidade, é que a Segue 1 estava vagueando pelo espaço e há cerca de 8 bilhões de anos, foi capturada pela gravidade da Via Láctea.

Observações e análises futuras poderão ajudar a caracterizar a Segue 1 com mais clareza, mas, por enquanto, é um vizinho galáctico incrivelmente estranho.

 

Fonte//SienceAlert

Sem comentários:

Publicar um comentário