quinta-feira, 9 de agosto de 2018

Antigo lago oferece novas pistas do fim da civilização Maia

O sedimento no fundo de um lago no México contém algumas das respostas há muito procuradas para o mistério do fim da civilização  Maia.

Os antigos Maias, concentrados principalmente no que hoje é a península de Yucatán, estavam entre as civilizações mais avançadas de sua época. Os Maias foram alguns dos primeiros povos a construir cidades.

Eles usaram a astronomia para promover a produção agrícola, criaram calendários e usaram matemática avançada.

Mas apesar de todo o seu progresso, o império Maia, construído ao longo de milhares de anos, pode ter-se desmoronado em apenas algumas centenas .

Os cientistas têm várias teorias sobre o colapso dos Maias, incluindo a desertificação, a superpopulação e a seca extrema. Uma nova pesquisa, publicada na Science Thursday, focaliza a seca e sugere, pela primeira vez, quão extrema foi.

Ao analisar os sedimentos sob o lago Chichancanab, na península de Yucatán, os cientistas descobriram uma redução de 50% na precipitação anual em mais de 100 anos, de 800 a 1.000 dC, sendo por vezes de até 70%.

Este estudo é o primeiro a quantificar a precipitação, humidade relativa e evaporação na época. É também o primeiro a combinar múltiplas análises elementares e modelagem para determinar o registro climático durante o fim da civilização Maia.

Matthew Lachniet, professor de geociências da Universidade de Nevada em Las Vegas, que não esteve envolvido no estudo, disse que a quantificação da seca é importante, porque ilustra o poder da variabilidade climática..

"Os seres humanos estão afectando o clima. Estamos tornando o clima mais quente e está previsto que se torne mais seco na América Central", disse Lachniet.

"O que podemos vir a ter é grandes períodos de seca extrema se coincidir  a seca de causas naturais com a seca causada pelo homem, isso amplifica a força dessa seca."

A nova pesquisa analisou os núcleos dos sedimentos, algo que é comum fazer, para determinar as condições do passado, usando os sedimentos como uma cápsula do tempo geológica.

Cada camada de sedimentos enterrada no subsolo contém evidências de chuvas, temperatura e até poluição do ar. Através de processos e iterações químicas, as condições climáticas são "registadas" na superfície do solo na época .

Os cientistas podem perfurar um núcleo profundo de sedimento e analisá-lo cuidadosamente, camada por camada, ano a ano, para reconstruir uma linha do tempo.

Para este estudo, os cientistas examinaram minuciosamente as camadas de lama e argila do fundo do lago Chichancanab.

Durante os períodos de seca, o volume do lago teria diminuído, disse Nick Evans, um estudante de pós-graduação que estuda paleoclimatologia na Universidade de Cambridge e primeiro autor do estudo.

À medida que a água evaporava, partículas mais leves ter-se-iam evaporado primeiro, deixando para trás os elementos mais pesados.

Se a seca fosse intensa e duradoura, os cristais de gesso formam-se e incorporam a água do lago existente directamente na sua estrutura. A "água fóssil" dentro dos cristais permitiu que Evans e seus co-autores analisassem as suas propriedades do lago durante cada período.

"É o mais perto que você já chegou de provar a água no passado", disse Evans.

A composição química da água fóssil indicou períodos de seca na linha do tempo Maia e revelou quão longa e intensa esta seca foi.

A seca coincide com o início do período quente medieval, que se pensa para ter sido causado por uma diminuição das cinzas vulcânicas na atmosfera e um aumento na atividade solar.

Estudos anteriores mostraram que a desertificação também pode ter contribuído. A desertificação tende a diminuir a quantidade de humidade e desestabilizar o solo.

Teorias adicionais para a causa da seca incluem mudanças na circulação atmosférica e declínio na frequência de ciclones tropicais, disse Evans.

Evans e sua equipe esperam que sua pesquisa ajude os arqueólogos a entender como a antiga seca pode ter tido impacto na agricultura Maia num momento crítico de sua história.

Atualmente, vastas áreas da América do Norte, norte da África, Médio Oriente, sudoeste da Ásia e grande parte da Austrália estão em seca significativa, segundo o Sistema Global de Informações sobre Seca da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional.

Pesquisas sociopolíticas sugerem que a seca pode causar guerras, fome e grandes migrações humanas. E muitos países afetados carecem de recursos para lidar com este problema.

"A seca tem o potencial de ser uma força motriz para muitos dos problemas que podem causar stress civilizacional", disse Evans.

Ele observou, no entanto, que a economia globalizada de hoje e a tecnologia moderna têm o potencial de impedir uma seca no estilo Maia, que pode acabar com o mundo. Provavelmente.

 

Fonte//SienceAlert

Sem comentários:

Publicar um comentário