segunda-feira, 30 de julho de 2018

Algas verde-néon mistura beleza e perigo

No que parece uma obra de arte, as algas verde-néon parecem girar no mar Báltico. A imagem foi capturada em 18 de julho pelo Operational Land Imager da NASA no Landsat 8.

 

O fenómeno ocorre todos os verões na costa da Escandinávia, mas parece particularmente intenso este ano, de acordo com o Earth Observatory da NASA .

 

O grande redemoinho no centro da imagem tem cerca de 20 quilômetros de diâmetro, e provavelmente foi criado por uma floração de cianobactéria chamada alga verde-azulada , informou o Observatório da Terra. As diatomáceas, um tipo de fitoplâncton rico em clorofila (o pigmento verde encontrado em plantas e algas), também podem estar contribuindo para o que parecem com traços de tinta verde decorando a superfície da água. Parece traçar as bordas de um vórtice criado por um turbilhão oceânico, que poderia ser onde os nutrientes estão subindo das águas mais profundas, de acordo com o Observatório da Terra.

 

 

Embora essas enormes espirais de algas sejam impressionantes, sua presença não é necessariamente um bom sinal para a saúde ambiental da região. O fitoplâncton e as cianobactérias consomem grandes quantidades de nutrientes e deixam a água desprovida de oxigênio. De fato, áreas altamente concentradas de algas criam o que é chamado de zonas mortas , porque peixes e outras criaturas marinhas são incapazes de sobreviver quando a água se torna muito pobre em oxigênio

Nos últimos anos, o Mar Báltico experimentou os menores níveis de oxigênio observados na área em dos ultimos 1.500 anos, de acordo com pesquisa publicada no início deste mês na revista Biogeosciences . Uma das principais causas do declínio do oxigênio é  a poluição causada pelos seres humanos .Fertilizantes e esgotos ricos em nutrientes tem sido despejados por varias décadas no oceano a partir dos países escandinavos, alimentando as florações de algas que esgotam o oxigênio. Embora os esforços para conter a poluição nos últimos anos tenham diminuído os níveis de despejos, essas medidas não resultaram em menos proliferações de algas ou perímetros menores na zona morta. Os cientistas suspeitam que isso ocorre porque a mudança climática está elevando a temperatura da água , e a água quente é menos eficiente para manter o oxigênio.

 

Perto dali, todo o Golfo da Finlândia também está experimentando níveis recordes de cianobactérias, níveis que não ocorreram pelo menos na última década, informou a Finnish Broadcasting Company, Yle . A atual onda de calor no hemisfério norte e os altos níveis de fósforo oriundos da poluição e de organismos mortos são os dois principais ingredientes que criam as condições perfeitas para a abundância de algas verde-azuladas na área. Os especialistas esperam que o florescimento continue pelo menos até o começo de Agosto.

 

Fonte//LiveSience

Sem comentários:

Publicar um comentário