sábado, 25 de maio de 2019

Os carros vão mudar mais na próxima década do que no ultimo século


Embora pensemos que os nossos carros mudaram nos últimos 100 anos,  a verdade é que evoluiram mas a maneira como os conduzimos pouco mudou.
 Mas a mudança radical está chegando. Na próxima década, não apenas a energia motriz mas todo o conceito automóvel mudará completamente, e deixaremos de ser condutores.



Photo Pixabay

Hidrogénio, vantagens e desvantagens


Alguns carros já têm recursos básicos de automatização, mas os experiencias automóveis que atualmente estão sendo realizados por empresas como Uber e Google compõem uma pequena percentagem dos veículos que circulam nas nossas estradas. Até 2030, o carro padrão evoluirá de ajudas o motorista para assumir o controlo total de todos os aspetos da condução na maioria das condições de trânsito.





Essa automatização generalizada, juntamente com a eletrificação e o aumento da interligação tanto do carro quanto da sociedade, devem mudar a indústria automóvel de uma forma significativa, afetando tudo, desde a aparência dos carros até a maneira como passamos o tempo dentro deles, e principalmente como nos transportam do ponto A para o ponto B.
A primeira grande diferença que vamos notar entre os carros de hoje e os de 2030 são seus nomes. Assim como a Apple e a Samsung assumiram um mercado de telefonia móvel que a Nokia e a Blackberry dominaram, Tesla, Apple, Dyson e Google poderiam se tornar as marcas automóvel mais reconhecidas do futuro.





Eles provavelmente vão parecer muito diferentes também. Vistos de fora, as grandes entradas de ar e as grades frontais que refrigeram nossos motores de combustão não serão mais necessárias, enquanto os espelhos retrovisores serão substituídos por câmaras e sensores. As janelas podem ser maiores para permitir que os passageiros, que não precisam conduzir, aproveitem a vista ou quase não exijam privacidade. O Mercedes-Benz Vision URBANETIC demonstra estes novos visuais radicais com um veículo modular que pode mudar de corpo para movimentar cargas ou pessoas.
O interior dos carros será muito mais flexível, alguns permitindo a personalização de cor, luz, privacidade e layout com o toque de um botão. O recente carro conceito 360c da Volvo prevê um espaço multifuncional que pode se transformar numa sala, num escritório e até num quarto.






Os para-sol tornar-se-ão coisa do passado, com vidro inteligente que nos permite controlar a quantidade de luz do dia que entra ao toque de um botão. As portas do carro conceito Mercedes F015 possuem telas extras que podem funcionar como janelas ou sistemas de entretenimento.
Muitos carros serão equipados com sistemas de realidade aumentada, que irão sobrepor visuais gerados por computador no para-brisas ou noutras áreas de exibição adequadas, para aliviar o stress do passageiro.





Os motoristas poderão comunicar com os seus carros por meio de comandos verbais ou gestuais. Em modelos de ponta, podemos até ver algumas versões antigas de interfaces cérebro-computador, que associariam padrões de atividade cerebral a comandos para controlar o carro ou entreter os ocupantes. Tecnologia semelhante já foi usada para controlar membros protéticos e cadeiras de rodas.
A Internet sempre crescente em tudo tornar-se-á fundamental para a forma como nossos carros integrados nos transportam e comunicam-se com o mundo. Sensores projetados para reconhecer e se comunicar com sinais de trânsito atualizados, marcações, redes de câmaras, pedestres e outros veículos permitirão que os carros sincronizem seus movimentos, minimizando o consumo de combustível e melhorando o fluxo de tráfego. Os carros também poderão ajudar as autoridades a manter as infraestruturas rodoviárias, por exemplo, com sensores de pneus que os notificam sobre a deterioração das condições da estrada.




Quando os humanos escolhem conduzir, a tecnologia alerta os motoristas sobre colisões iminentes com outros veículos tenta evitá-los. É provável que as melhorias na tecnologia de sensores térmicos permitam que os carros vejam além da faixa de iluminação dos faróis dos carros. Se suficientemente padronizado e legislado para, essas tecnologias devem reduzir substancialmente o número de acidentes rodoviários, embora provavelmente após um pico inicial.
Embora os motoristas rurais provavelmente ainda possuam os seus carros, nas cidades não serão proprietários de automóveis e usarão veículos no género da Uber mas num patamar mais elevado. Em Moscovo, já são feitas diariamente 9 milhões desses trajetos, mais de 30 vezes mais do que no início de 2018.



Vários países e cidades anunciaram proibições da venda de novos carros a gasolina e diesel num futuro próximo, muitos até 2030. Os veículos mais antigos ainda estarão na estrada, portanto é improvável que os postos de gasolina desapareçam até essa data. No entanto, os fabricantes de automóveis já estão cada vez mais interessados em veículos que suportarão os combustíveis do futuro.


Precisamente como será esse futuro, não se sabe. A incerteza sobre se os carros híbridos atualmente populares serão incluídos na proibição de veículos pode desencorajar empresas e consumidores de investir muito nesse caminho. Os veículos totalmente elétricos representam apenas 2% do mercado global no momento, mas como seu preço cairá abaixo dos carros a gasolina até meados dos anos 2020 , sua participação de mercado certamente aumentará.






Depende também ainda da autonomia e tempo de carregamento, e neste momento os governos investem em redes de carregamento elétrico. Esperamos que os veículos totalmente elétricos sejam pelo menos uma opção viável para uma ampla gama de motoristas até 2030, mas avanços tecnológicos inovadores imprevisíveis poderiam facilmente mudar o futuro do combustível para veículos. Por exemplo, os cientistas estão trabalhando duro para resolver as dificuldades de produção e armazenamento que atualmente limitam o potencial de veículos movidos a hidrogênio limpos, de rápido abastecimento e de longo alcance.
O ano de 2030 pode não parecer muito distante, mas uma década é muito tempo para a tecnologia mudar. Em 2008, o primeiro iPhone acabara de ser lançado, e a mudança climática era uma questão de fundo para os governos e a comunicação social. Agora, a tecnologia e o discurso ambiental estão mudando a um ritmo sem precedentes. Portanto, não se surpreenda se olhar para os carros de hoje dentro de uma década e se perguntar: Como é que conseguimos mudar tanto??.


Grandes camiões da Nikola Motor movidos a hidrogénio




Fonte//The Conversation

sexta-feira, 24 de maio de 2019

Hidrogénio, vantagens e desvantagens


O hidrogénio é um elemento químico que está à temperatura ambiente se encontra no estado gasoso. É o elemento mais abundante do Universo e do principal constituinte das estrelas. O hidrogénio é o elemento leve e de elevado valor energético. Não é tóxico. Não é nocivo para o ambiente. 

Toyota Movido a Hidrogenio Photo Ciclovivo

Novo reator nuclear elimina resíduos radioativos


É o melhor combustível para motores de combustão sendo sem dúvida o combustível do futuro. Não se encontra na natureza, o que o torna dispendioso e vamos ver porquê. O hidrogénio é um gás mais leve do que o ar. Na sua forma natural está, sempre associado a outros elementos.
É uma alternativa dispendiosa mas, até pode ser uma escolha mais acertada.
Atualmente, o hidrogênio é muito usado como combustível na NASA.
As energias e as funções do hidrogênio são voltadas para as culminarmos nos benefícios do organismo, como dissemos, pode ser uma alternativa de futuro.
Principais vantagens e desvantagens do hidrogénio




Desvantagens do hidrogénio


Alternativa cara;
Requer uma utilização de metais nobres;
Implica custos de transporte e distribuição;
Não se encontram isolados na natureza;
Tem uma relação de dependência de hidrocarbonetos, petróleos e seus derivados;
Altamente reativo.
Vantagens do hidrogénio
Não é tóxico;
É o elemento mais abundante no Universo;
Grande potencial no setor dos transportes;
Grande densidade energética;
Baixo nível de emissão de gases para efeito estufa;
Redução da poluição sonora já que se trata de um processo silencioso;
De fácil armazenamento
Pode ser usado na produção de energia;
Alternativa ecológica que pode ajudar a economia dos países a permitir a criação de postos de trabalho e o desenvolvimento económico.



Photo Going Green

NASA esta desenvolvendo aviões elétricos com célula de hidrogenio


Futuro da energia nuclear, mais barato e mais seguro











Asteroide com lua passa perto da Terra fim-de-semana


Os astrônomos esperam que um asteroide conhecido como 1999 KW4 passe pela Terra por volta das 19h05 (horário de Brasília) no sábado, e o mais interessante é que esse asteroide tem a sua própria lua.


Photo European Space Agency

Pela segunda vez na história, uma nave espacial terrestre aterra num asteróide



"É um caso muito raro e na historia recente não há relato de algo semelhante", disse o cientista planetário Vishnu Reddy à NBC News . "Isso é o que o torna muito interessante."
O Asteroide 1999 KW4 tem 1,5 km de largura. Isso é cerca de três vezes o tamanho de sua lua, que tem uma largura de cerca de 0,5 km.






Mesmo passando próximo da Terra, os asteroides passarão a mais de 3 milhões de milhas de distância, pelo que não há nenhum risco de cocharem com o nosso planeta. Na verdade, passarão tão longe que não serão visíveis a olho nu.
Após esta passagem, só voltarão a passar por cá em 2036, por isso se pretende os ver, muna-se de um telescópio e veja-os no sábado á noite

Asteroide pode provocar 'inverno cósmico' na Terra


Asteróide Oumuamua pode ser nave espacial




Fonte//Futurism